Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

H1N1 nas redes sociais: surto em 2009, susto em 2016

Levantamento da empresa de big data Hekima mostra que preocupação com nova propagação da doença ocorre em Estados que registraram mais casos no passado

Ainda que ofuscado pelo processo de impeachment, o vírus H1N1 está de volta ao Brasil e é assunto de brasileiros. Um estudo feito pela empresa de big data Hekima cruzou dados relativos a citações à gripe em redes sociais na semana passada com o número de casos registrados durante os surtos de 2009 e 2010. O resultado mostra coincidência: Estados com mais ocorrências da doença no passado tendem a registrar mais postagens sobre o assunto agora. A exceção é o Paraná, campeão de ocorrências de H1N1 em 2009 e que reduziu sensivelmente a presença da gripe no ano seguinte.

Os responsáveis pelo estudo chamam essa coincidência entre casos anteriores e comentários presentes de “ecos do passado”. “Esses números mostram como o sofrimento social em 2009, seja com casos de doenças na família, seja pelo temor de contrair o vírus, ficou na memória coletiva dos cidadãos e se reflete agora, mesmo que passados cerca de sete anos”, diz Anice Pennini, gerente de pesquisa e comunicação da Hekima.

O monitoramento de redes colheu 26.994 mensagens publicadas no Facebook e Twitter entre os dias 4 e 7 deste mês; dessas, 5.785 permitiram a localização geográfica de seus autores. Já os registros oficiais sobre a ocorrência de doenças vêm do Datasus, base de dados do governo federal. Para a pesquisa, foram coletados posts que usassem os seguinte termos: H1N1, influenza, SRAG, sindrome respiratória aguda grave, Tamiflu, gripe A, virus H1N1 ou gripe suína. Os 26.994 posts foram ainda divididos em três grupos, que ajudam a compreender a intenção de seus autores: 52% deles eram comentários sobre notícias acerca da doença, 32% repercutiam a volta da gripe e 16% falavam sobre cuidados à saúde.

Os dados vindos das redes não permitem fazer previsões sobre novos surtos pelo país. Mas a análise de dados tem sido usada em alguns casos com essa finalidade. No livro Big Data, de 2013, o professor de Oxford Viktor Mayer-Schönberger, em parceria com Kenneth Cukier, recupera a história da tentativa do Google e das autoridades de saúde dos Estados Unidos de prever um surto de gripe pelo território americano em 2009. A ideia era usar as pesquisas feitas no buscador por milhões de usuários para prever onde o vírus circulava: com os primeiros sintomas, os americanos recorriam ao Google para entender os sinais da doença antes mesmo de procurar os médicos. A tal doença: H1N1.

Arte H1N1 Arte H1N1

Arte H1N1 (/)

Member of The Internet Defense League