Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Criador do WhatsApp critica novo bloqueio do aplicativo no Brasil

O ucraniano Jan Koum disse que é injusta a punição a milhões de brasileiros, pois a empresa não pode fornecer os dados requeridos por não arquivar as conversas e por não conseguir acessá-las por causa da criptografia

O bloqueio temporário de 72 horas do WhatsApp no Brasil foi criticado na madrugada desta terça-feira pelo CEO e cofundador do serviço de mensagens, Jan Koum, em sua conta no Facebook. A suspensão do serviço no país foi determinada nesta segunda-feira pelo juiz Marcel Maia Montalvão, da comarca de Lagarto, em Sergipe, e mantida nesta terça-feira pelo desembargador Cezário Siqueira Neto, que negou o recurso da empresa.

O executivo ucraniano de 40 anos endossa a nota oficial divulgada pela empresa ao dizer que não é possível fornecer os dados requeridos pelo judiciário, que exige a quebra do sigilo de mensagens do aplicativo para auxiliar na investigação de um crime ligado a tráfico de drogas na cidade de Lagarto. “Mais uma vez milhões de brasileiros inocentes estão sendo punidos porque um tribunal quer que o WhatsApp entregue informações que nós repetidamente dissemos que não temos”, disse Koum.

Ele explicou que o aplicativo faz a criptografia das mensagens para manter as informações dos usuários seguras. “Quando você manda uma mensagem criptografada, ninguém mais pode ler – nem mesmo nós”, alegou Koum, que também afirmou que o WhatsApp não guarda os históricos das conversas em seus servidores para, assim, manter intacta a privacidade dos usuários.

LEIA TAMBÉM:

Anatel considera bloqueio desproporcional, e WhatsApp diz que 100 milhões de brasileiros foram punidos

O CEO garantiu que a empresa está trabalhando para reativar o serviço o mais rápido possível e ratificou que o WhatsApp não tem intenção de comprometer a segurança dos usuários. Na outra ocasião em que o serviço foi bloqueado no Brasil, em dezembro do ano passado, ele também se pronunciou com críticas à decisão da justiça brasileira.

(Com Agência Brasil)

Member of The Internet Defense League