Clique e assine com 88% de desconto

Pesquisadores vão estudar casos assintomáticos de zika

Por Da Redação - 20 dez 2015, 16h02

Pesquisadores de São José do Rio Preto, interior paulista, vão monitorar, ao longo de cinco anos, 2.200 pessoas na cidade com o objetivo de identificar a porcentagem de casos assintomáticos de zika vírus.

O projeto, coordenado por Maurício Lacerda Nogueira, do Laboratório de Pesquisas em Virologia da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), faz parte de uma força-tarefa organizada por cientistas paulistas para entender o zika vírus e deter seu avanço. Atualmente, pouco se sabe sobre o agente.

O financiamento do projeto, de acordo com Nogueira, já havia sido aprovado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), para monitorar a dengue. Agora, os estudos incluirão também os vírus zika e chikungunya, todos transmitidos pelo mesmo mosquito: o Aedes aegypti.

Leia também:

Continua após a publicidade

Ministério da Saúde confirma relação entre o zika vírus e microcefalia

“Em geral, esses estudos populacionais a longo prazo são feitos de forma passiva, com os pacientes que chegam ao hospital. O acompanhando de forma prospectiva, como faremos, ajudará a descobrir qual a real incidência desses vírus e qual a porcentagem dos casos assintomáticos”, declarou Nogueira ao jornal O Estado de S.Paulo.

De acordo como coordenador do projeto, como a população avaliada inclui gestantes, será possível também determinar o risco relativo de microcefalia.

O bairro escolhido para o estudo tem um histórico de infecção por dengue. Na mesma região, o grupo conduz estudos sobre o mosquito, em parceria com a Superintendência de Controle de Endemias (Sucen).

Continua após a publicidade

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade