Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Instituto Butantã usa 54 milhões de ovos para produzir vacina da gripe

Vacinação gratuita será iniciada nesta segunda para idosos, gestantes e crianças de 6 meses a 5 anos em São Paulo

A fecundação de 54 milhões de ovos de galinha foi necessária para que os cientistas do Instituto Butantã produzissem as vacinas contra a gripe H1N1 que começarão a ser distribuídas nesta segunda. Os ovos são necessários para o cultivo dos vírus usados no imunizante. Cerca de 500 funcionários trabalharam 24 horas para garantir a entrega antecipada das vacinas em São Paulo.

Produção – É no interior de ovos fecundados, contendo embriões com exatos 11 dias, que são injetadas amostras do vírus H1N1 e dos outros dois tipos da gripe incluídas na vacina: H3N2 e B. Durante pelo menos 72 horas, os ovos ficam em período de incubação, quando o vírus injetado se multiplica no líquido que envolve o pintinho. “Cada ovo rende o equivalente a três doses de apenas um dos vírus, e como a vacina protege contra três tipos, precisamos repetir esse processo com cada tipo, o que exige 54 milhões de ovos para produzir as 54 milhões de doses da vacina trivalente que fornecemos para o Ministério da Saúde”, explica Marcelo de Franco, diretor substituto do Butantã.

Após as 72 horas de incubação, o líquido é retirado do ovo e purificado, para que apenas as amostras de vírus sejam extraídas. “Em seguida, a gente inicia um processo para matar o vírus, para que ele seja fragmentado e fique sem atividade.”

Leia também:

Ministério dobra pedido de antiviral para tratar H1N1

H1N1 já é responsável por metade dos casos de gripe

Vacina antecipada – Para conseguir entregar todas as doses encomendadas pelo ministério, o instituto começou o trabalho cedo, muito antes de os paulistas serem pegos de surpresa por um surto antecipado de gripe H1N1 no Estado. A produção das vacinas é iniciada em setembro, após a Organização Mundial da Saúde (OMS) definir quais tipos de vírus estão mais circulantes e, portanto, devem constar na vacina.

Com toda a complexidade do processo de produção, o Butantã encarou um desafio ao ter de antecipar a entrega de alguns lotes da vacina por causa do surto fora de época em São Paulo, que já matou 70 pessoas. Como não era possível pular etapas, o instituto resolveu adotar um turno extra de trabalho, de madrugada, no setor de envasamento das doses: isso adiantou em quase duas semanas a entrega de 16 milhões de doses, parte delas voltadas para a antecipação da vacinação em São Paulo, que começou na última segunda para os profissionais de saúde e será iniciada nesta segunda para idosos, gestantes e crianças de 6 meses a 5 anos.

Tecnologia – O conhecimento sobre o processo de produção da vacina contra a influenza foi transferido da francesa Sanofi Pasteur para o Butantã por meio de um acordo iniciado em 1999 e concluído em 2012. Naquele ano, o instituto inaugurou em São Paulo uma fábrica específica para a produção da vacina da gripe, a maior da América Latina exclusiva para a doença. Desde então, o número de doses produzidas nacionalmente vem aumentando, passando de 7 milhões no primeiro ano para o número atual.

“Essa fábrica foi pensada para produzir 20 milhões de doses por ano, mas fizemos investimentos, aumentamos turnos de trabalho e descobrimos formas mais eficazes de produzir o vírus, por isso hoje produzimos mais do que o dobro”, diz Jorge Kalil, diretor do instituto.

(Com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League