Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Homens não sabem cuidar da própria saúde, diz urologista

Sexo, envelhecimento, fertilidade, músculos e tratamento hormonal do homem. Esses estão entre os principais assuntos abordados pelo urologista paulista Aguinaldo Nardi em entrevista ao site de VEJA. Nardi é autor do livro 'A Fragilidade do Sexo Forte', que acaba de ser lançado

Para o urologista paulista Aguinaldo Nardi, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Urologia e diretor da Clínica Integra e Fertility, em Bauru (SP), ao contrário da mulher, os homens ainda não incorporaram a prevenção e os cuidados com a saúde em seu dia a dia. “Eles se consideram indestrutíveis e por isso não aceitam sua própria fragilidade”, disse em entrevista ao site de VEJA. Resultado: os homens adoecem mais. Em seu livro recém-lançado “A Fragilidade do Sexo Forte”, o especialista propõe uma reflexão sobre as principais doenças urológicas que podem afetar o homem ao longo da vida. Nardi também esclarece alguns mitos relacionados à saúde masculina, como andoprausa, reposição hormonal e disfunção erétil.

Qual é o principal ponto fraco do homem no trato da saúde? É imaginar ser o sexo forte. O homem é mais fraco e há provas estatísticas. A cada cinco mortes no Brasil, três são de homens. Além disso, os homens vivem 7,6 anos menos que as mulheres. Esses dados são brasileiros, mas em relação ao mundo desenvolvido, a saúde masculina no Brasil também deixa muito a desejar. O homem não aceita sua própria fragilidade e, com isso, deixa de procurar ajuda. Eles vão menos aos médicos também. Não se preocupam com prevenção.

A mulher é fundamental no papel de levar o homem ao médico… Sem dúvida. Uma pesquisa recente feita pela Sociedade Brasileira de Urologia com o Datafolha mostrou que 80% dos homens que vão aos médicos, o fazem porque foram influenciados pela família, em especial pela esposa. Por consequência, criam-se inúmeros mitos em relação à saúde masculina.

A andropausa, de fato, existe? Sim. Mas não existe a parada de produção do hormônio masculino, como muitos imaginam. O que ocorre é um “distúrbio androgênico do envelhecimento masculino ou hipogonadismo”. Significa a diminuição das taxas do hormônio masculino, a testosterona. Não há parada da produção, repito. A partir dos 40 anos de idade, a redução é de em torno de 1% ao ano. Os sintomas relacionados ao hipogonadismo são: perda da libido, impotência ou disfunção erétil, irritabilidade, alterações cognitivas, diminuição da massa muscular e óssea, aumento da gordura visceral.

A reposição hormonal para o homem é benéfica, afinal? Quando há o conjunto dos sintomas acima citados e a dosagem hormonal mostrar que a queda é maior que o normal, pode haver essa possibilidade, sim. Aliás, há aqui outro mito referente à saúde masculina: a reposição de testosterona não causa câncer de próstata, como se imagina. O que pode acontecer o tumor de próstata já existente crescer com a reposição. Então podemos dizer que o tratamento de reposição hormonal no homem é muito eficaz e com pouquíssimos efeitos colaterais. É importante lembrar que, quando os sintomas citados aparecem e estão relacionados aos hormônios, eles surgem de maneira gradual e contínua, nunca abrupta. Quem passa por um stress intenso também pode apresentar estes sintomas e, nesse caso, não é suficiente para fazer reposição hormonal. O tratamento com testosterona só deve ser feito em homens cuja baixa dosagem hormonal for comprovada por exames laboratoriais.

O homem se torna infértil com o passar da idade? Não. Estudos recentes mostram que após os 40 anos há um declínio gradual dos índices de fertilidade masculina. Mas ele produz espermatozoides a vida toda. Diferentemente do que ocorre com as mulheres. Elas param de produzir óvulos.

A disfunção erétil acomete todos os homens ao longo da vida? Estima-se que 50% dos homens acima dos 40 anos sofre de disfunção erétil, em graus diferentes. A situação se agrava com o passar do tempo. Aos 40 anos, estima-se que 5% dos homens não consigam ter ereção. Já aos 70 anos, essa porcentagem sobre para 15%. Os principais fatores de risco para a impotência sexual são doenças cardiovasculares, tabagismo, vida sedentária e obesidade. Muitas vezes a disfunção erétil é um sintoma que antecede, por exemplo, uma doença coronariana. Isso porque a artéria que irriga o pênis tem um terço do calibre da coronária (a artéria do coração). Então, se a coronária está por entupir, a do pênis pode entupir antes. Por isso, homens que têm disfunção erétil devem procurar um médico porque isso pode ser indicativo de um problema ainda mais grave.

Em quais situações as pílulas para disfunção erétil podem prejudicar a saúde? Os remédios para disfunção erétil podem ser fatais para homens com problemas de angina e que utilizam nitritos ou nitratos. Para eles, o medicamento pode levar a uma redução abrupta da frequência cardíaca. Então, antes de qualquer tratamento medicamentoso, é fundamental haver uma avaliação médica adequada.

É possível ganhar massa muscular depois dos 50 anos? Sim, desde que se faça exercícios. Os homens perdem massa muscular após os 40 anos e isso está associado, sobretudo, aos níveis baixos de testosterona. Nestes casos, além da massa muscular, também há perda da massa óssea. Ainda assim, é bom lembrar que, independentemente das taxas de testosterona, o músculo precisa ser estimulado a crescer, então aqueles homens que levam uma vida sedentária, mesmo se tiverem a dosagem normal do hormônio, podem ter diminuição da massa muscular.

O homem, de fato, pode consumir mais calorias que a mulher? Sim. Mas é claro que isso depende do metabolismo individual. Homens obesos ou que têm o metabolismo baixo devem seguir uma dieta mais rigorosa. Mas, em geral, o homem realmente precisa de mais calorias do que a mulher porque seu metabolismo é mais rápido e ele gasta mais energia.

Member of The Internet Defense League