Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Homem fabrica a própria mão biônica

Com a ajuda de uma impressora 3D, o francês Nicolas Huchet conseguiu produzir próteses biônicas de baixo orçamento

Nicolas Huchet, um francês de 32 anos, perdeu a mão direita em 2002, quando tinha apenas 19 e trabalhava como mecânico em uma fábrica. Recentemente, com a ajuda de uma impressora 3D, ele transformou sua incapacidade em inovação e empreendimento e passou a fabricar próteses biônicas de baixo orçamento.

“Após um acidente deste tipo, você se pergunta muitas coisas. E que tal a vida? E agora, o que fazer? É muito difícil para a autoestima e para a confiança pessoal”, comentou Huchet em entrevista à Agência Efe.

A mão postiça, que se chamará Bionicohand e, segundo o francês, deverá custar entre 1.000 e 1.500 euros, é só o começo. Seu objetivo é criar um ‘handylab’, ou seja, um laboratório dedicado à reparação do corpo para pessoas com incapacidade.

Leia também:

Menina recebe braço mecânico feito por impressora 3D

Cientistas fazem transplantes de braços biônicos controlados pela mente

Mais do que um conceito tecnologicamente revolucionário, Huchet quer provocar uma mudança social. Atualmente, seu projeto chamado My Human Kit é um dos dez finalistas do concurso Google Impact Challenge da França, que no próximo dia 8 premiará uma das iniciativas participantes com um financiamento de 500 mil euros.

O projeto tem o objetivo de fazer com que qualquer pessoa sem um membro possa fabricar sua própria prótese.

Antes de chamar a atenção do Google, a iniciativa havia interessado o prestigiado Instituto de Tecnologia do Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), que no primeiro semestre o selecionou entre os dez jovens mais inovadores da França.

Inovação – Depois do acidente, Huchet havia recebido do governo francês uma mão robótica, com mecanismo de pinça e aparência real. Em 2012, em um centro de reabilitação, ele aprendeu a se servir com uma mão mioelétrica: uma nova geração de prótese, com a qual se pode movimentar todos os dedos.

Mas a Seguridade Social francesa não financia as modernas mãos mioelétricas ou biônicas, que custam entre 30 mil e 100 mil euros. “Por uma coincidência, descobri o mundo dos ‘fablabs’, que são laboratórios de fabricação digital abertos a todos. Quando vi uma impressora 3D pela primeira vez, me parecia uma máquina do futuro e perguntei se poderia fazer uma mão biônica. Me disseram: ‘Sim, por que não? Não sabemos como fazê-lo, mas podemos tentar'”, contou Huchet.

Em troca, ele teria que compartilhar sua pesquisa. “Pensei, ‘Que bom, que bom! Vão me ajudar e eu vou ajudar outras pessoas’. Assim descobri o mundo do código aberto, o ‘open source”, lembrou Huchet.

(Com EFE)

Member of The Internet Defense League