Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

90% das mulheres retomam o hábito de fumar depois da gravidez. Motivo? Stress

O stress ao cuidar de um bebê faz com que muitas mães voltem ao vício. O apoio do parceiro é fundamental para evitar as recaídas, diz estudo.

Mulheres que pararam de fumar durante a gravidez estão mais propensas a voltar ao vício devido ao stress enfrentado após o nascimento do bebê. É o que diz um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de East Anglia, na Inglaterra, publicado nesta quinta-feira, no periódico científico Addiction.

“Muitas mulheres param de fumar durante a gravidez, mas cerca de 90% delas voltam ao vício no primeiro ano após o nascimento do bebê. Nós queríamos entender o motivo e identificar formas de prevenção”, diz Caitlin Notley, principal autora do estudo e pesquisadora da Universidade de East Anglia. “Além de prejudicar a saúde da mãe, o tabagismo pode afetar as crianças pela exposição à fumaça”.

Por meio da análise de mais de 1000 entrevistas realizadas com mulheres que tinham tido bebês, os pesquisadores descobriram que fatores como o stress de cuidar de um recém-nascido, associado a noites sem dormir contribuem para a recaída. Outro motivo: a maioria das mulheres para de fumar na gravidez com o objetivo de proteger o bebê dos malefícios do tabagismo e não por si mesmas. Nestes casos, as recaídas parecem quase inevitáveis.

Leia também:

Viver com fumante faz tão mal à saúde quanto poluição

Fumantes acreditam que alguns cigarros não fazem mal à saúde, diz estudo

Outros fatores que contribuem para a volta ao hábito é a influência do parceiro fumante e a falta do apoio do companheiro nos cuidados com o bebê.

“Para que as mulheres continuem livres do cigarro após o nascimento de seus filhos, é preciso haver uma mudança cultural, onde elas se sintam mais motivadas a seguir com a abstinência e tenham também a ajuda dos companheiros”, afirmou autora.

(Da redação)

Member of The Internet Defense League