Clique e assine com 88% de desconto

Com afastamento de Cunha, proposta de ‘acordão’ chega ao Conselho de Ética

Emissários do peemedebista tentam trocar renúncia à presidência da Câmara por preservação do mandato no Conselho de Ética da Casa

Por da Redação - 6 maio 2016, 19h09

Mesmo após o afastamento da presidência da Câmara e do mandato de deputado, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ainda conta com o esforço de congressistas para tentar salvar seu futuro político. Nesta sexta-feira, um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF), em decisão unânime, suspender as prerrogativas parlamentares de Cunha, deputados próximos a ele tentaram demover membros do Conselho de Ética de aplicarem a maior penalidade ao peemedebista: a cassação.

O acordo teria a seguinte forma: Cunha renunciaria à presidência da Câmara em troca de uma punição mais branda, como um afastamento – que já está em andamento, sem prazo definido, por força judicial. Nas conversas após a decisão do Supremo, chamou atenção a quantidade de pedidos por celeridade no processo – se o pacto for atendido, claro. A ação por quebra de decoro contra Eduardo Cunha, alvo de sucessivas manobras de seus aliados, já é a mais demorada da história do Conselho de Ética.

“Só ficarão aqueles que devem um pacto de sangue. Quem tinha o compromisso de fazer algo só porque alguém pediu não vai trocar o mandato por um voto”, afirmou, ao site de VEJA, o vice-presidente do conselho, Sandro Alex (PSD-PR). O congressista nega ter sido procurado por aliados de Cunha e questiona a tentativa de acordo. “Ele perdeu o timing. Deveria ter feito isso [afastar-se da presidência] no máximo após o impeachment. Agora ele vai negociar o quê? Já está afastado e já perdeu o mandato de presidente. Qual recurso seria possível para reverter essa sentença unânime?”, disse.

Relator da ação por quebra de decoro, o deputado Marcos Rogério (DEM-RO) afirma que parecer da consultoria técnica da Câmara garante a continuidade do processo mesmo após a decisão do supremo. Rogério deve apresentar seu parecer final até o fim de maio. Após as esperadas manobras regimentais, a ação deve estar disponível para ser analisada em plenário no dia 22 de junho. Caso seja cassado, Eduardo Cunha é enquadrado na Lei da Ficha Limpa e fica inelegível por oito anos.

Continua após a publicidade

Renúncia – Cunha vem sendo orientado a abrir mão do comando da Câmara dos Deputados – hipótese que ele rejeita. A intenção é minar a gestão de seu sucessor, Waldir Maranhão (PP-MA), e emplacar a convocação de nova eleição, possível apenas se houver vacância do cargo. Aliados do peemedebista elaboram uma lista de candidatos ao maior posto da Câmara e rechaçam Maranhão por sua falta de capacidade técnica e também de confiança – acreditam que ele pode jogar com os dois lados, governo e Cunha.

Unidos pelo mesmo objetivo, mas por razões diferentes, adversários do presidente afastado também lutam por um novo comando na Câmara dos Deputados. Eles avaliam que Maranhão segue aliado de Eduardo Cunha, o que lhe garantiria o poder de continuar influenciando politicamente na Casa. Nos bastidores, fala-se que, com Maranhão à frente dos trabalhos, Cunha manteria sua força sobre os deputados do centrão e do baixo clero e teria condições inclusive de barganhar com Michel Temer, que, não à toa, demonstrou preocupação com a determinação de afastamento. Está nas mãos de Waldir Maranhão o processo de impeachment do vice-presidente da República.

Publicidade