Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Cercado por governistas, Maranhão rebate Renan

Em rápido pronunciamento “aos brasileiros”, o presidente em exercício da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), rebateu o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e negou que tenha tomado a decisão de anular o impeachment por “brincadeira” com a democracia, como afirmou o peemedebista no plenário. Renan ignorou a decisão monocrática de Maranhão e deu seguimento ao processo. Maranhão disse que tomou sua decisão com base na Constituição, falou sobre sua trajetória profissional e encerrou o pronunciamento sem responder perguntas de jornalistas. “Tenho consciência o quanto esse momento é delicado, momento em que nós temos o dever de salvar a democracia e o debate”, afirmou. “O nosso país tem salvação pela democracia, pelo embate, pelo combate e o rigor das leis que dá ao cidadão as suas garantias individuais”. Maranhão aproveitou para se apresentar ao país: disse que é “filho de pais humildes”, que se graduou em veterinária e foi por duas vezes reitor universitário no Maranhão. “Os mais humildes não podem ser marginalizados”, afirmou. Ele foi ciceroneado pelo líder do governo, José Guimarães (PT-CE) e deputados do PT e do PCdoB. Também estava ao lado de Maranhão o vice-líder do governo Silvio Costa (PTdoB-PE). Os governistas agora instam Maranhão e o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo (PT), um dos artífices da decisão de Maranhão, a acionar o Supremo Tribunal Federal para tentar forçar o Senado a paralisar o andamento do impeachment. (Felipe Frazão, de Brasília).

Member of The Internet Defense League