Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O cientista pop da internet

Hábil para explicar questões complicadas e disposto a encarar qualquer polêmica, o doutor Pirula virou uma celebridade no YouTube

A paixão por crocodilos e dinossauros rendeu ao paulistano Paulo Pedrosa, o Pirula (apelido de faculdade), um doutorado em zoologia pela Universidade de São Paulo. Mas, ao criar um canal no YouTube, há oito anos, ele resolveu ampliar os horizontes e tratar de ciência em geral, o que o pôs em contato direto com outro tipo de ser com o qual se deve tomar cuidado: os contestadores de fatos científicos que fazem e acontecem nas redes sociais. Didático nas explicações e disposto a encarar qualquer polêmica, Pirula virou fenômeno da internet: seu canal conta com mais de 780 000 inscritos e 80 milhões de visualizações. Preocupado com os rumos da ciência diante da disseminação de pensamentos retrógrados, Pirula — que, em lugar da idade, prefere revelar que é “velho o suficiente para ter conhecido o Balão Mágico” — lançou no mês passado, em parceria com Reinaldo José Lopes, seu primeiro livro, Darwin sem Frescura (HarperCollins). A seguir, trechos de sua entrevista a VEJA.

QUEM TEM MEDO DE DARWIN?

“Percebo nas pessoas um preconceito contra a ideia da evolução das espécies, um receio de que isso vá contra aquilo em que acreditam, as histórias que estão na Bíblia. No entanto, a ideia de que uma espécie pode se transformar em outra já era discutida uns sessenta anos antes de Darwin, e é sobejamente aceita. A única inovação dele foi a teoria da seleção natural — a sobrevivência do mais apto, daquele que consegue aguentar o tranco das mudanças no ambiente. Através da ideia da seleção conseguimos entender como as espécies se desenvolveram até chegar ao que são hoje, inclusive em termos de hábitos, de comportamentos.”

A EVOLUÇÃO DA MORAL

“Podemos dizer que a própria noção de certo e errado tem, em algum grau, um componente inato. Ao contrário do que imaginamos, quando nascemos nosso cérebro não é uma tábula rasa, sem informação alguma. A gente já vem, por assim dizer, com certos aplicativos instalados, mas vazios — como um WhatsApp sem nenhum contato. Esses aplicativos são componentes genéticos que podem ser transmitidos entre gerações, uma determinada combinação de genes que influencia uma índole ou comportamento, por exemplo. Fatores externos como a cultura, a criação e as experiências vão moldar o funcionamento do aplicativo, mas o instinto para agir de tal maneira já estava lá, selecionado ao longo da evolução da espécie.”

O GENE INTERESSEIRO

“Valores como altruísmo e justiça também estão embutidos na seleção natural, na lei da sobrevivência do mais apto. O ser humano sobrevive melhor em comunidade, mas precisa agir de maneira agradável para que o ambiente seja saudável e as pessoas não queiram matar umas às outras. Somos predispostos a ter algum nível de altruísmo e a aprovar essa conduta nos demais porque entendemos que esse comportamento gera uma vantagem para o grupo. É claro que a atitude egoísta, que produz vantagem imediata, também está presente, mas, se ela fosse predominante, a sociedade entraria em colapso. No fim das contas, a tendência é a natureza selecionar um pouco de cada: prevalece quem é bonzinho mas não é trouxa.”

HOMOSSEXUALIDADE FAZ PARTE

“Os dados de que dispomos indicam que a tendência à homossexualidade é determinada principalmente por um pacote de genes. Nas famílias em que esse código está presente, as mulheres têm mais filhos. Ou seja: é possível que a fertilidade e a tendência à homossexualidade estejam embrulhadas em um mesmo pacote genético. Sendo assim, não há risco para a população passar o conjunto de genes adiante, mesmo com menor chance de reprodução em uma pequena parcela, pois a alta fertilidade compensa. Sabe-se que a tendência ao comportamento homossexual se mantém fixa entre 4% e 10% da população. Esse número nunca aumentou. Nunca houve uma ‘epidemia gay’, como dizem uns tantos preconceituosos.”

A CIÊNCIA PEDE SOCORRO

“Venho notando sinais de crise na ciência. É preocupante. Um deles é a distância que nós, cientistas, pusemos entre nós e a sociedade. A maioria ficou por muitos anos encastelada na academia, e, agora que a disseminação do conhecimento faz com que seja confrontada, não sabe lidar com o grande público. Outra questão é a escassez de verbas, e também nela atribuo uma parcela de responsabilidade aos próprios pesquisadores, que sempre trabalharam como se não tivessem de prestar contas. Incluo também a alta carga de trabalho institucional e a falta de incentivo à divulgação científica. O terceiro ponto da crise é o avanço da tecnologia, que permite que a informação seja disseminada antes que algum agente, como a imprensa, atue para entregar a novidade mastigadinha, fácil de ser entendida. Qualquer um pode ligar uma câmera, falar uma bobagem e em duas horas atingir 20 milhões de pessoas.”

JOGADOR EM VÁRIOS TIMES

“Comparado com quem está no poder em Brasília, sou praticamente o Che Guevara. Mas na verdade eu me considero um progressista, no sentido de acreditar que é preciso respeitar as vontades das pessoas, desde que não prejudiquem ninguém, e rejeito qualquer tipo de preconceito e autoritarismo. Ao mesmo tempo, defendo o investimento privado nas universidades, porque, para mim, não há alternativa, a fonte secou. No entanto, para meus colegas da USP, que não aceitam bem a ideia, isso faz de mim um coxinha. Apesar de lutar contra o conservadorismo de Estado, na vida pessoal sou bastante conservador. Não uso drogas e não incentivo ninguém a usar, não recomendaria à minha mulher que fizesse um aborto e sou mais compreensivo em relação a porte de armas do que as pessoas imaginam.”

Publicado em VEJA de 24 de abril de 2019, edição nº 2631

Envie sua mensagem para a seção de cartas de VEJA
Qual a sua opinião sobre o tema desta reportagem? Se deseja ter seu comentário publicado na edição semanal de VEJA, escreva para veja@abril.com.br

Member of The Internet Defense League