Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Trump quer mudar legislação para poder torturar extremistas nos EUA

Pré-candidato republicano à Casa Branca afirmou que gostaria que 'flexibilizassem algumas leis' no país

O pré-candidato republicano à Casa Branca Donald Trump afirmou neste domingo que deseja modificar as leis que proíbem a tortura nos Estados Unidos, dias depois de dizer que respeitaria a legislação. “Não mudei de postura. Eu disse que iria respeitar a lei”, explicou Trump ao canal Fox News.

Leia também:

EUA: Ted Cruz e Donald Trump vencem em dois estados cada um

Quais são as reais chances de Trump ganhar?

Donald Trump é indicado ao Nobel da Paz (é sério!)

“Os extremistas do grupo Estado Islâmico (EI) não têm normas, regulamentações ou leis, e temos que ser muito corretos”, argumentou o pré-candidato republicano favorito para a indicação à Casa Branca. “Eu as respeito, mas não estou feliz por isso”, continuou, admitindo que gostaria de discutir essas leis. “Eu obedeço a lei, mas (…) queria que flexibilizassem algumas leis.”

Durante sua campanha e em um debate com seus rivais republicanos na noite de quinta-feira, Trump prometeu torturar os terroristas e matar suas famílias. No dia seguinte, em uma declaração ao jornal Wall Street Journal, disse que se fosse eleito respeitaria as leis. “Eu utilizaria todo o meu poder legal para deter esses inimigos terroristas. Entendo, entretanto, que os Estados Unidos estão atados por leis e tratados, e não pediria a nosso Exército ou a outros funcionários que violassem a lei”, escreveu Trump no jornal.

O governo de George W. Bush proibiu em 2006 o uso da simulação de afogamento (‘submarino’) e outras técnicas de interrogatório, depois do escândalo por seu uso, especialmente na CIA, contra suspeitas de terrorismo.

Para justificar suas mudanças de postura sobre vários temas, Trump destacou na quinta-feira a necessidade para um líder de ser “flexíveis”, afirmando que “nunca viu alguém ter sucesso sem um certo grau de flexibilidade”.

(Com agência France-Presse)

Member of The Internet Defense League