Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Templos hinduístas não podem mais barrar a entrada de mulheres, decide Justiça indiana

Na Índia, alguns templos impedem que as mulheres que menstruam tenham acesso a seu santuário

A Suprema Corte indiana determinou nessa terça-feira que templos religiosos no país não têm mais direito de proibir a entrada de mulheres. Na índia, alguns templos hinduístas impedem que as mulheres tenham acesso a seu santuário, entre eles o famoso templo Sabarimala, no Eestado de Querala, sul do país, que proíbe a entrada de todas as fiéis entre 10 e 55 anos.

A mais alta corte do país ordenou que o conselho que administra esse templo explique porque bania a entrada das mulheres. “Que direito eles tem de proibir que as mulheres entrem em qualquer parte do templo?”, perguntou o juiz da Suprema Corte Dipak Misra. “Discriminação de gênero desse tipo é inaceitável”, acrescentou, segundo o jornal britânico The Guardian.

Leia também:

Avião cai de guindaste ao ser transportado na Índia Incêndio em templo na Índia mata cerca de 100 pessoas

Índia abre investigação de homicídio por queda de viaduto que matou 23

O templo Sabarimala é um dos poucos na Índia que tem restrições a entrada de mulheres que menstruam. A discriminação contra as mulheres menstruadas é comum em algumas partes do sul da Ásia, onde são proibidos de entrar em casas e lugares sagrados e participar de festivais e eventos da comunidade.

Em janeiro, centenas de mulheres lideradas pela ativista Trupti Desai marcharam em protesto até o templo de Shani Shingnapur, em Amadanagar, para criticar o que consideram um “símbolo da desigualdade de gênero” na Índia, intolerável no século XXI. Após a manifestação, um tribunal de Mumbai exigiu que esse santuário abrisse suas portas para todas as mulheres.

(Da redação)

Member of The Internet Defense League