Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Supremo argentino confirma ordem judicial de prisão de Cristina Kirchner

De maioria peronista, Senado terá de decidir sobre a suspensão de imunidade da ex-presidente, que deve concorrer à Casa Rosada neste ano

A Corte Suprema de Justiça da Argentina manteve a ordem de prisão preventiva contra a atual senadora Cristina Kirchner, ditada pelo juiz federal Claudio Bonadio. A ex-presidente é acusada de acobertar parte da investigação sobre o atentado contra a Associação Mutual Israelense Argentina (Amia), em 1994.

A decisão, contudo, não significa que Kirchner será presa nem impedida de se candidatar às eleições presidenciais de outubro deste ano, em disputa contra o atual presidente, Maurício Macri.

A instância máxima da Justiça argentina recusou por unanimidade nesta quinta-feira, 7, os recursos apresentados pela defesa de Kirchner e ratificou o processo contra a ex-presidente, assim como a ordem de prisão preventiva ditada por Bonadio.

A decisão representa um revés importante na estratégia jurídica da ex-presidente, já que agora não restam mais recursos. O juiz Bonadio deverá agora enviar ao Senado a decisão final da Corte Suprema, que corrobora sua ordem de prisão preventiva. O Senado terá de decidir se suspende ou não a imunidade parlamentar de Cristina Kirchner.

Como o peronismo e os aliados diretos da ex-presidente mantêm maioria no legislativo argentino, ela terá apoio suficiente para garantir sua liberdade e sua candidatura à Casa Rosada.

O caso

Cristina Kirchner é processada pelos crimes de abuso de autoridade e de encobrimento agravado por tentar acobertar o atentado contra a Amia, que deixou 85 mortos e 300 feridos em Buenos Aires há 24 anos.

Em 25 de outubro de 2006, os procuradores argentinos Alberto Nisman e Marcelo Martínez Burgos acusaram formalmente o governo do Irã de ter planejado o ato terrorista e a milícia do Hezbollah de realizá-lo.

A ex-presidente e vários de seus colaboradores tinham assinado, em 2012, um acordo com o Irã para permitir que os responsáveis fossem investigados apenas em Teerã e julgados em um país neutro. Os termos do acordo nunca foram aplicados. A Justiça argentina ainda hoje pede a extradição de vários líderes iranianos considerados responsáveis pelo atentado.

Em 18 de janeiro de 2015, quatro dias depois de ter acusado Kirchner de encobrir os iranianos apontados como responsáveis pelo atentado, o procurador Nisman foi encontrado morto em sua casa.

Além de Cristina, Oscar Parrilli, ex-secretário-geral da Presidência, também é investigado no mesmo caso. A Corte Suprema de Justiça igualmente rejeitou um recurso da defesa desse aliado da ex-presidente nesta quinta.

Member of The Internet Defense League