Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sobrevivente de Bruxelas presenciou ataques em Boston e Paris

"Acho que a experiência em Boston o ajudou a se manter calmo", contou o pai de Mason Wells, o jovem americano de 19 anos que já testemunhou três atentados terroristas

Mason Wells, um missionário Mórmon de 19 anos, foi um dos sobreviventes dos ataques em Bruxelas, na terça-feira. Coincidentemente, o jovem americano também estava a uma quadra do local atingido pelo atentado de Boston, em 2013, e na França durante os ataques a Paris em novembro do ano passado.

Wells estava no aeroporto de Bruxelas quando dois homens-bomba se explodiram. Ele acompanhava outros missionários que pegariam um voo de volta aos Estados Unidos. O jovem teve um tendão rompido, ferimentos causados por estilhaços e queimaduras de segundo e terceiro graus no rosto e nas mãos, relatou seu pai, Chad Wells, à emissora americana ABC News.

Leia mais:

Irmão do homem-bomba Najim Laachraoui condena seus atos

Inteligência belga sabia que o aeroporto era visado por terroristas

Atentados devem causar prejuízo de 400 milhões de euros à Bélgica

“Este é o seu terceiro ataque terrorista”, afirmou Chad, que relatou que em 2013 estava com seu filho a apenas um quarteirão de distância da linha de chegada da Maratona de Boston, onde ocorreu a explosão que deixou três mortos e mais de 260 feridos. Os dois esperavam pela mãe de Mason, que participava da corrida. “Mason estava muito calmo e composto”, contou Kymberly Wells sobre a reação do filho após o atentado.

A família contou também que Mason estava na França durante os ataques de novembro do ano passado. “Mason sempre nos garantiu que é seguro e cuidadoso”, afirmou Kimberly a ABC. “Eu disse a ele que em primeiro lugar é sempre importante estar ciente de seu entorno, ter muito cuidado quando você está viajando e estar muito atento para as pessoas ao seu redor.”

Chad Wells disse que ele e sua esposa conseguiram falar com Mason, que ainda está no hospital em Bruxelas, e que estão otimistas quanto à recuperação de seu filho. O casal também contou que o jovem estava muito próximo do local onde aconteceram as explosões. “É uma bênção de Deus ele estar vivo”, agradeceu o pai. “Acho que a experiência em Boston o ajudou a se manter calmo.”

(Da redação)

Member of The Internet Defense League