Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Polícia turca entra em confronto com manifestantes após censura de jornal

A polícia da Turquia disparou gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar cerca de 2.000 manifestantes reunidos em frente ao maior jornal do país, depois de as autoridades tomarem o controle do veículo. Na sexta-feira, um tribunal nomeou um administrador para comandar o jornal Zaman e o Today’s Zaman, versão do diário em língua inglesa.

Os jornais são ligados a Fetullah Gülen, clérigo islâmico que reside nos Estados Unidos, acusado pelo governo turco de armar um golpe. A decisão foi tomada a partir de um pedido de um promotor que investiga o movimento religioso de Gülen relacionado a ataques terroristas, disse a mídia estatal. A polícia invadiu o Zaman à meia-noite, disparando gás lacrimogêneo e canhões de água, quebrando à força um portão para entrar nos escritórios, mostraram imagens transmitidas ao vivo.

Leia também

Turquia toma controle de principal jornal crítico ao governo

Turquia prende dois jornalistas acusados de ligação com terrorismo

Justiça turca manda confiscar revista e prender editores

O jornal, crítico ao presidente islamita-conservador Recep Tayyip Erdogan, foi colocado sob tutela em um novo caso da onda de repressão na Turquia contra os meios de comunicação que preocupa tanto a União Europeia quanto os Estados Unidos. O Zaman denunciou em sua edição deste sábado um “dia de vergonha” para a liberdade de imprensa na Turquia. “A Constituição está suspensa”, afirmava na primeira página em grandes letras brancas sobre um fundo preto.

(Da redação)

Member of The Internet Defense League