Clique e assine com 88% de desconto

Obama estuda nomear republicano para Suprema Corte

O presidente poderia indicar o governador de Nevada, Brian Sandoval, um ex-juiz federal. O possível candidato é moderado em questões sociais, como direito ao aborto

Por Da Redação - 26 fev 2016, 08h35

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, estaria considerando indicar um republicano moderado para a vaga do falecido juiz Antonin Scalia, achado morto no último dia 13 de fevereiro, na Suprema Corte do país. Scalia foi o primeiro membro ítalo-americano do tribunal e era considerado um dos magistrados mais conservadores do colegiado. Ele havia sido nomeado em 1986, pelo então presidente Ronald Reagan (1981-1989).

De acordo com a agência de notícias Reuters, que conversou com fontes na Casa Branca, Obama estuda indicar o governador de Nevada, Brian Sandoval, um ex-juiz federal. O possível candidato defende algumas das principais causas republicanas, como a manutenção das regras atuais para compra e porte de armas, mas é moderado em questões sociais, como direito ao aborto.

Leia também

Juiz da Suprema Corte dos EUA passou suas últimas horas com uma ‘sociedade secreta de caçadores’

Continua após a publicidade

Republicanos dizem que rejeitarão indicação de Obama para juiz da Suprema Corte

Juiz da Suprema Corte dos EUA morreu de “causas naturais”

Esse pacote poderia torná-lo uma opção interessante para o mandatário democrata neutralizar as ameaças da legenda conservadora, que domina o Senado, de bloquear qualquer indicação da Casa Branca enquanto o novo presidente não tomar posse. Sandoval tem 52 anos e governa Nevada desde 2010. Ele também se posicionando a favor da união civil ntre homossexuais em seu Eestado.

Após a morte de Scalia, a Suprema Corte, que tem nove assentos, ficou dividida entre quatro liberais e quatro conservadores. Com a repentina possibilidade de nomear um juiz, Obama poderia fazer a balança pender para a esquerda pela primeira vez em décadas. Por isso, senadores republicanos querem vetar qualquer indicação do presidente, na esperança de que um correligionário assuma a Casa Branca em 2017.

Continua após a publicidade

(Da redação)

Publicidade