Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Maduro responde a Mujica: “Se estou louco é de amor pela Venezuela”

Ex-presidente uruguaio havia dito que Maduro estava "louco como uma cabra", após acusações ao secretário-geral da OEA, Luis Almagro

Acusado de estar “louco como uma cabra” por José Mujica, ex-presidente do Uruguai, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, respondeu aos risos na quinta-feira que o colega sul-americano está certo, mas que, na verdade, ele está louco é de amor por seu país.

“Estou louco como uma cabra, sim, mas estou louco de amor pela Venezuela, pela revolução bolivariana, por Chávez e seu exemplo”, disse Maduro durante um discurso para militantes do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV). “É verdade, ele tem razão. Estou louco de amor, de paixão por ser leal a Chávez”, completou.

O diagnóstico de Mujica sobre o presidente venezuelano veio depois dos ataques de Maduro a Luis Almagro, ex-ministro das Relações Exteriores do Uruguai e atual secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA). Irritado com a postura do órgão diante do referendo revogatório que ameaça o seu mandato, o chavista acusou Almagro de ser um “agente da CIA”.

Leia também:

Mujica diagnostica Maduro: ‘Está louco como uma cabra’

EUA negam incursão de avião militar na Venezuela

Polícia bloqueia protesto anti-Maduro na Venezuela e usa gás lacrimogêneo contra manifestantes

Maduro declarou no discurso desta sexta que “estar louco é dizer as coisas que é preciso dizer”, reafirmando que o secretário-geral da OEA é um traidor. No início da semana, Almagro falou que Maduro se transformará em um “ditadorzinho” se impedir o referendo promovido pela oposição contra sua permanência na Presidência. “Negar a consulta ao povo, negar a ele a possibilidade de decidir, te transforma em mais um ditadorzinho, como os tantos que o continente teve”, escreveu em uma severa carta aberta.

A oposição venezuelana está agindo para realizar um referendo neste ano contra Maduro, que, por sua vez, considera inviável a iniciativa e decretou o estado de exceção no país. O presidente comentou diversas vezes que nem a consulta revogatória nem nenhuma das iniciativas dos opositores para tirá-lo do governo têm “viabilidade política”.

(Com Reuters e AFP)

Member of The Internet Defense League