Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ex-líder do Congresso dos EUA é condenado à prisão por escândalo sexual

Ao proferir a sentença, o juiz chamou Dennis Hastert de "pedófilo em série"

Um juiz de Chicago, em Illinois, condenou nesta quarta-feira a um ano e três meses de prisão o ex-presidente da Câmara dos Deputados americana, o republicano Dennis Hastert, por ter comprado o silêncio das crianças que abusou sexualmente quando era professor de artes marciais.

Ao anunciar a sentença, o juiz Thomas M. Durkin chamou de “pedófilo em série” o antigo terceiro homem mais poderoso do país, que em outubro do ano passado confessou ter violado leis bancárias ao pagar dezenas de milhares de dólares a um homem com o qual manteve relações sexuais na época em que o ex-legislador dava aulas em um instituto.

A sentença de quinze meses recebida é menor que os cinco anos de prisão aos quais Hastert, de 74 anos, poderia ter sido condenado. O ex-líder do Congresso teria abusado de cinco garotos adolescentes há décadas, quando era treinador de luta livre no instituto de Yorkville, em Illinois.

Leia também:

Pedófilo belga queria criar ‘cidade subterrânea de crianças sequestradas’

Cardeal australiano admite que Igreja acobertou casos de pedofilia no país

Boinas azuis de 21 países foram acusados por abusos sexuais em 2015

“A primeira coisa que quero fazer é me desculpar com os meninos, que tratei mal quando era treinador. O que fiz foi ruim e lamento”, reconheceu Hastert, que foi ao tribunal de Chicago em cadeira de rodas e precisou de ajuda para se deslocar dentro das instalações. Durante seu depoimento, o político admitiu ter abusado sexualmente de uma das vítimas, mas afirmou que não se lembrava do resto.

Audiência – “Vinte anos depois, estou aqui com a verdade do meu lado. Como muitos, espero ser seu pior pesadelo”, disse durante a audiência Jolene Burdge, a irmã de Stephen Reinboldt, uma das vítimas. Antes de morrer de aids, em 1995, Reinboldt confessou que Hastert abusou repetidamente dele quando o jovem integrava a equipe de luta livre treinada pelo político.

De acordo com a promotoria, durante os anos 60, 70 e 80, Hastert “usou a confiança que despertava entre os alunos” para abusar sexualmente de pelo menos cinco adolescentes, o mais jovem deles de 14 anos. Ele os enganava, por exemplo, com massagens para praticar atos sexuais.

Durante a audiência desta quarta-feira, foi revelada a identidade de uma das vítimas, identificada durante o processo com a letra “D” e que disse ser Scott Cross, de 53 anos, irmão do ex-líder da Câmara dos Deputados de Illinois, o republicano Tom Cross, que Hastert ajudou durante sua carreira política. Cross descreveu os abusos sexuais que sofreu quando tinha 17 anos e disse querer que seu depoimento sirva para mostrar que as vítimas de abusos sexuais sempre têm uma alternativa melhor que o silêncio.

Crimes prescritos – Hastert não foi julgado pelas acusações de abusos sexuais, pois esses crimes prescreveram. No entanto, a promotoria revelou os detalhes dos abusos por estarem relacionados com a violação de leis bancárias, pelas quais o político foi condenado.

Há quatro anos, a Justiça americana detectou grandes retiradas de dinheiro das contas bancárias de Hastert em um banco de Yorkville, do qual o político supostamente fazia saques de 50.000 dólares regulares entre junho de 2010 e abril de 2012.

Leia também:

O que aconteceu com Bernard Law, o padre vilão do filme ‘Spotlight’?

(Com EFE)

Member of The Internet Defense League