Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dois terremotos deixam 1 morto e 85 feridos no Equador

O epicentro dos tremores de magnitude 6,7 e 6,8 foi o vilarejo de pescadores de Mompiche, na costa do Oceano Pacífico, a cerca de 386 quilômetros da capital Quito

Dois terremotos abalaram a costa do Equador nesta quarta-feira, causando uma morte e pequenos estragos na mesma região onde um tremor de magnitude 7,8 matou mais de 650 pessoas no mês passado. Os sismos de magnitude 6,7 e 6,8, segundo o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), interromperam a eletricidade em algumas áreas costeiras e fizeram as pessoas correrem assustadas para as ruas, segundo testemunhas.

O presidente equatoriano Rafael Correa disse que o epicentro foi o vilarejo de pescadores de Mompiche, na costa do Oceano Pacífico, a cerca de 386 quilômetros de Quito. Ele afirmou que os tremores deixaram um morto e causaram ferimentos leves em pelo menos 85 pessoas.

“Avaliamos os impactos destes novos sismos, temos 85 levemente feridos, digamos que foram pessoas que correram, caíram… Mas, na verdade, só temos dois feridos com trauma e temos que lamentar um falecido, um idoso em Tosagua”, detalhou. O presidente equatoriano comentou que a causa da morte ainda é confusa. “Saiu correndo, caiu, bateu a base do crânio, mas também temos a versão que uma viga caiu em cima dele, então estamos apurando a informação”, destacou.

Leia mais:

Mais de mil réplicas ocorreram após terremoto que atingiu o Equador em abril

Número de mortes por terremoto no Equador chega a 659

Cão herói morre de exaustão depois de resgatar sete vítimas de terremoto no Equador

Os terremotos causaram poucos danos nas cidades e não houve alerta de tsunami. Contudo, um plano de segurança teve de ser aplicado nas instituições educativas e os pais foram alertados para retirarem seus filhos das escolas. Além disso, as aulas foram suspensas em escolas, colégios e universidades nas províncias de Manabí e Esmeraldas, as mais afetadas, até a próxima segunda-feira.

Correa destacou ainda que os serviços públicos devem continuar nas zonas afetadas “sempre e quando se deem as condições de segurança”, e informou que em algumas instituições públicas foi permitido que os funcionários voltassem a suas casas “por causa de rachaduras nas paredes”.

O terremoto de 16 de abril, o maior a atingir o Equador em quase sete décadas, derrubou edifícios ao longo da costa. O sismo deixou 659 mortos, mais de 6 mil feridos, quase 29 mil pessoas desabrigadas e causou estimados 2 bilhões de dólares em danos, de acordo com a avaliação mais recente do governo.

(Da redação)

Member of The Internet Defense League