Clique e assine com 88% de desconto

'Big Brother' espanhol forçou participante a ver vídeo de seu estupro

Carlota Prado foi violentada por colega durante o programa 'Gran Hermano' de 2017; produção a proibiu de falar sobre o crime

Por Da Redação - 6 dez 2019, 14h46

Durante a edição de 2017 do reality show Gran Hermano, a versão espanhola do Big Brother, uma participante foi estuprada enquanto dormia por outro participante do programa. A ação foi gravada. Os produtores, então, forçaram a vítima a ver o vídeo e gravaram sua reação, que nunca foi ao ar. O caso estava nas mãos das autoridades policiais, mas ninguém foi indiciado até recentemente, quando o vídeo acabou vazado à imprensa. A Justiça a instaurou um processo criminal.

O caso veio à tona dois anos após o crime, quando o portal de notícias espanhol El Confidencial teve acesso ao material e publicou reportagem no dia 19 de novembro. O vídeo mostra Carlota Prado, com 24 anos na época, chorando e soluçando enquanto a produção do programa mostrava a ela as cenas do estupro cometido pelo participante José María López, também com 24 anos.

O vídeo logo viralizou na internet e uma onda de críticas recaiu sobre a Zeppelin, empresa responsável pelo programa, que afirmou por comunicado lamentar o “erro de comunicação” e prometeu tomar medidas no show para atuar com maior agilidade “em possíveis situações de violações de direitos”. O programa, porém, perdeu seus principais anunciantes, como a marca alimentícia Nestlé.

“Eles permitiam a ele que ficasse ao meu lado, mesmo com provas suficientes para imediatamente expulsa-lo e decidir o que fariam com ele”, disse Prado, em entrevista ao El Confidencial. “A produção deixou que ele” ficasse rindo ao meu lado e dizendo que foi atrás de mim. Não consigo entender como o programa permitiu isso.”

Continua após a publicidade

O vídeo mostra a vítima assistindo ao seu próprio estupro. Prado conta que a produção não deu nenhuma pista do que seria mostrado a ela e que, enquanto entrava em desespero com o que via, a produção dizia que ela deveria “relaxar” e que não poderia contar a ninguém sobre o que aconteceu. A conversa entre Prado e os produtores foi toda gravada. Somente horas após Prado ter tido conhecimento do vídeo, o estuprador foi denunciado à polícia e expulso do show. Na época, a expulsão foi justificada por “comportamento intolerável”, sem detalhes do ocorrido.

O abuso ocorreu após uma festa. López não estava embriagado, enquanto Prado, sim. Ela disse ao El Confidencial que rejeitou as investidas de López durante a festa. Quando acabou, foi dormir em seu quarto, e López foi atrás dela. Devido ao seu estado de embriaguez, a moça diz não se lembrar do estupro. Depois de assistir o vídeo e ser proibida pela produção de falar sobre o que aconteceu para amigos e familiares, uma funcionária a abraçou, dizendo que a produção condenava o que havia ocorrido e que ia dar apoio psicológico. Também ofereceu sua saída do show. Prado ficou por uns dias em um hotel, mas resolveu voltar ao programa.

Publicidade