Clique e assine com 88% de desconto

Bélgica anuncia envio de caças F-16 para bombardear Estado Islâmico na Síria

Medida não tem relação com recentes ataques terroristas em Bruxelas e atende a pedidos dos EUA

Por Da Redação - 25 mar 2016, 10h55

O primeiro-ministro da Bélgica, Charles Michel, anunciou nesta sexta-feira que enviará caças F-16 para bombardear o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) na Síria. Em entrevista concedida após se reunir com o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, o primeiro-ministro indicou que a autorização para o início da missão está sendo discutida com o Parlamento.

Leia mais:

Polícia belga detém 6 pessoas por vínculos com atentados em Bruxelas

A medida, porém, não tem relação com os ataques em Bruxelas. Os debates com os parlamentares começaram no último dia 3, segundo o primeiro-ministro, a pedido dos Estados Unidos e com o objetivo de reforçar a luta internacional contra o EI. As operações belgas estão, por enquanto, limitadas ao Iraque.

Continua após a publicidade

“Estamos plenamente convencidos que os desafios que enfrentamos todos juntos, os desafios de segurança, também supõem defender nossos valores comuns que compartilhamos”, afirmou Michel. “Somos grandes democracias. Compartilhamos convicções, a liberdade de expressão, a tolerância, a diversidade e a abertura de nossas sociedades, valores que devemos defender com toda nossa determinação”, destacou o primeiro-ministro.

A Bélgica tinha participado da campanha de ataques da coalizão internacional contra o EI na Síria em outubro do ano passado. Por isso, o objetivo é “retomar” a missão, a partir do próximo dia 1º de julho, com o envio de seis caças, informou o ministro de Defesa do país, Steven Vandeput, à emissora local “RTL”.

Perguntado se a Bélgica vai bombardear o EI na Síria, Vandeput disse que a discussão está sendo feita dentro do governo, mas que, na sua opinião, é preciso lutar contra os jihadistas onde quer que eles estejam. Já o primeiro-ministro prometeu que a Bélgica e os demais países afetados pelo terrorismo “restaurarão seus valores” apesar das tentativas dos jihadistas de derrotá-los.

(Com agência EFE)

Publicidade