Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Assim como Grã-Bretanha, República Checa ameaça sair da UE

O presidente da República Checa, Milos Zeman, afirmou que é favorável em criar um referendo sobre a saída do país da União Europeia (UE), ao estilo do que a Grã-Bretanha fará em junho. Com isso, ele confirma os temores dos defensores da EU sobre a possibilidade do desejo britânico inspirar outros países a questionar sua permanência no bloco. Segundo uma pesquisa realizada pela agência Stem, e publicada pelo jornal The Telegraph, três quintos da população checa afirma estar “infeliz” na União Europeia e 62% disseram que votariam contra o sistema de cotas imigratórias imposto pelo bloco ao país.

A declaração de Zeman é um reflexo de uma entrevista dada pelo primeiro-ministro checo, Bohuslav Sobotka, que afirmou na semana passada que “se a Grã-Bretanha deixar a União Europeia, nós poderemos esperar debates sobre abandonar a UE em alguns anos”. Para ele, se os britânicos optarem pelo “sim” no dia 23 de junho, isso terá “um provável grande impacto” em todas as nações europeias.

Leia também

Alemanha não aceitará refugiados de áreas controladas pelo EI

Grécia protesta contra acúmulo de refugiados depois que vizinhos limitaram fluxo migratório

A grande diferença entre os checos e os britânicos são as motivações para deixar o bloco. Enquanto os últimos apontam questões econômicas e de poder de veto dentro da União Europeia, Praga tem na crise imigratória sua principal objeção à política do grupo. O país critica a forma como a UE está lidando com a crise imigratória – a maior desde o fim da II Guerra Mundial.

A República Checa defende a volta dos controles nos postos de fronteira de cada Estado-membro, colocando em risco o Tratado de Schengen, que define a livre circulação de pessoas e mercadorias no bloco econômico.

(Com Ansa)

Member of The Internet Defense League