Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Zé Roberto e Alecsandro criticam torcida do Palmeiras após protestos

Torcedores vaiaram os atletas e chamaram o treinador Marcelo Oliveira de "burro" na derrota para a Ponte, no Allianz Parque

O clima pesou na Arena do Palmeiras depois da derrota da equipe alviverde por 1 a 0 para a Ponte Preta, na noite desta quarta-feira. A torcida, ainda irritada com a goleada de 5 a 1 sofrida para a Chapecoense na rodada anterior do Brasileirão, protestou bastante ao longo da partida. Mesmo antes de a bola rolar, a torcida organiza Mancha Alviverde estendeu uma faixa com a mensagem “acabou a paciência”, e as vaias só aumentaram a medida que o time ia perdendo gols. A falta de apoio dos torcedores irritou os experientes Zé Roberto e Alecsandro.

O capitão Zé Roberto, de 41 anos, foi o mais direto em suas críticas. “A cobrança do torcedor sempre vai existir, mas essa faixa é um pouco desnecessária, assim como as vaias nas substituições. Em alguns momentos do jogo, quando eles estavam ganhando, nossa torcida não foi paciente, e isso gerou um pouco de nervosismo. Não conseguimos ter a tranquilidade que tivemos em outros jogos, e isso dificultou bastante”, analisou o veterano.

Leia também:

Pressionado, Corinthians recebe Goiás para manter folga no topo

Fluminense vence o São Paulo na estreia de Doriva

Figueirense faz 3 a 0 no Flamengo e respira na tabela

O atacante Alecsandro se irritou ao ser substituído no início do segundo tempo e chegou a discutir com um torcedor que lhe cobrava “raça”. Mais calmo, ao deixar o estádio, disse entender a cobrança, mas admitiu ter ficado chateado. “Está faltando gol, não raça. Isso o torcedor nunca vai poder cobrar de mim. O torcedor do Palmeiras tem razão, tem de cobrar o Alecsandro mesmo. Tenho que fazer valer o apelido de ‘Alecgol’. Não vou fugir de nada disso, dou a cara para bater. Jogador que veste a camisa de time grande tem de ser assim.”

Em seguida, o jogador de 34 anos explicou que deixou o banco de reservas e foi assistir ao jogo pelas TVs do vestiário para se acalmar. E ressaltou que veio para o Palmeiras para brigar por títulos quando decidiu deixar o Flamengo. “Estou com quase 20 anos de carreira como profissional. Se eu for substituído e não sair chateado, é hora de parar. Ainda tenho esse brilho nos olhos, quero vencer. Eu estava em uma situação confortável em outro clube e sai para realmente buscar um desafio na minha carreira. Trouxe minha família toda para cá e troquei meus filhos de escola sabendo da cobrança no Palmeiras.”

Organizada do Palmeiras protesta durante partida contra a Ponte Preta – 14/10/2015

Organizada do Palmeiras protesta durante partida contra a Ponte Preta – 14/10/2015 (/)

Treinador – Marcelo Oliveira, a princípio, não quis entrar em rota de colisão com as arquibancadas. “O torcedor tem toda a razão. É melhor ter o torcedor do seu lado o tempo todo, mas não vi nada exagerado. A torcida incentivou muito no segundo tempo, quando o time melhorou.” Ele, no entanto, explicou o porquê de ter tirado Dudu, a mudança que provocou os gritos de “burro” contra ele.

“Talvez o torcedor quisesse que eu ficasse com o Dudu, mas, pelo nervosismo, talvez ele fosse expulso. Possivelmente, o torcedor não pensou nisso. Talvez a manifestação tenha sido muito mais pela substituição do que pelo jogo como um todo, porque até o fim tivemos possibilidade de empatar, mesmo estando um pouco ansiosos.”

O treinador ainda ficou em uma saia justa com o diretor de futebol Alexandre Mattos. Ao saber que Marcelo Oliveira reclamou da ausência de Arouca e Robinho machucados, e Lucas Barrios, que serviu a seleção paraguaia, Mattos ressaltou que o Palmeiras tem elenco suficiente para vencer a Ponte Preta.

“Não adianta falar que jogadores importantes estão fora. Faz parte. Temos elenco para isso. Esses jogadores que jogaram já resolveram em outras situações”, definiu o dirigente que contratou mais de 20 jogadores em 2015. “Treinamos, mas faltou colocar em prática. Vamos trabalhar um pouco o emocional, que se desestabilizou. E, obviamente, precisamos melhorar mesmo, jogar o que está treinando. Isso que foi incompreensível.”

Mattos ainda discordou da maioria dos atletas e considerou pênalti de Victor Ramos, no lance de mão que gerou o gol de Fernando Bob. “Para mim, foi pênalti. E não tem de reclamar de pênalti ou arbitragem, mas daquilo que produzimos. Aliás, daquilo que não produzimos. O Palmeiras jogou mal e, por isso, perdeu.” Apesar do momento conturbado, o time segue na briga pelo G4, na sexta posição, com 45 pontos, um a menos que o Santos, último time da zona de classificação para a Libertadores.

(com Gazeta Press)

Member of The Internet Defense League