Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sessão da CPI do Futebol que votaria quebra de sigilos é adiada

Liderado por Romero Jucá, grupo de senadores afirmou que não teve acesso às informações do processo e pediu o adiamento da reunião

A sessão da CPI do Futebol que estava programada para esta quarta-feira foi adiada, a pedido de um grupo de senadores ligados a Romero Jucá (PMDB-RR), aliado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). De acordo com o senador Romário (PSB-RJ), presidente da Comissão, antes do início da reunião o grupo o procurou afirmando que não teve acesso a todas as informações da investigação. “Os senadores que não acessaram aos documentos são: Romero Jucá (relator da CPI), João Alberto (Souza, PMDB-MA), Fernando Collor (PTB-AL), Gladson Cameli (PP-AC), Davi Alcolumbre (DEM-AP) e Donizeti Nogueira (PT-TO)”, disse o ex-jogador. A reunião ficou para a semana que vem.

​Leia também:

Del Nero desconversa, mas diz que vai permanecer em cargo na Fifa

Marin lucrou mais de R$ 6 milhões com Copa do Mundo no Brasil

CPI do Futebol aprova quebra do sigilo bancário de Marin

Estava prevista para a sessão desta quarta a votação de 23 requerimentos (sendo 10 deles secretos) que pedem o demonstrativo de resultados e lucros e a quebra de sigilos bancários e fiscal do Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo de 2014 e de pessoas e empresas ligadas à CBF e a seus dirigentes. “Há graves indícios de irregularidades no COL. Também há entre os requerimentos o pedido de quebra de sigilo telefônico e de e-mail do atual presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, e do ex-presidente preso, José Maria Marin, entre outros. Posso afirmar que os fatos que descobrimos são bem piores do que imaginávamos. Encontramos indícios de muita corrupção e enriquecimento ilícito”, afirmou Romário.

Com base nessas investigações, Romário e o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) defendem a prorrogação da CPI por pelo menos seis meses. O prazo atual para encerramento dos trabalhos é o dia 22 de dezembro. “Isto será fundamental para que possamos fazer os levantamentos que são objeto desta CPI”, opinou o ex-atleta. “Encontramos o fio da meada do esquema criminoso que, lamentavelmente, dirige o futebol brasileiro. Diante disso, temos que puxar o restante do novelo. Obviamente vamos precisar de mais prazo. Não tenho dúvida que os demais colegas apoiarão”, afirmou Randolfe. Entre as pessoas que terão o sigilo quebrado está a ex-namorada de Del Nero, Carolina Galan, acusada de ter recebido do dirigente uma transferência suspeita de 1 milhão de reais.

(com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League