Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Prova de hipismo da Rio-2016 pode acontecer fora do Brasil, revela federação

Presidente da CBH culpa a demora do Ministério da Agricultura pela indefinição e diz que possibilidade de outro país sediar o evento 'não é especulação'.

O Brasil corre o risco de perder a sede das provas de hipismo na Olimpíada do Rio. Segundo Luiz Roberto Giugni, presidente da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH). Segundo ele, a demora do Ministério da Agricultura em acertar os protocolos sanitários para a vinda dos cavalos do exterior pode fazer com que a federação internacional da modalidade mude o local de provas. “Já existe plano B e C. A competição poderá ser em outro país”. O hipismo olímpico está previsto para ocorrer no Complexo de Deodoro, que, inclusive, já recebeu um evento teste da modalidade, em agosto, mas apenas com atletas brasileiros.

Leia também:

Rio-2016: Comitê anuncia corte de gastos para evitar déficit orçamentário

Organizadores prometem abertura criativa e econômica

Ingressos para a Rio-2016: a partir de outubro, leva quem for mais rápido

O dirigente, que participou nesta quarta-feira da abertura do Concurso de Saltos Internacional Indoor da Hípica Paulista, garante que a chance de não haver hipismo no Rio não é mera especulação. “A alternativa seria fazer a competição em outro lugar que possa receber os cavalos. É uma situação real que pode acontecer. Tive uma reunião ontem e já se discute essa possibilidade”, avisa, lembrando que a federação internacional deu um prazo até o final do mês para bater o martelo.

Ele explica que existe um acordo sanitário que precisa ser feito entre países. Os cavalos até podem vir ao Brasil, mas tem de haver uma garantia para voltar sem nenhuma restrição de problemas sanitários. Esse certificado de entrada e saída tem de estar definido e ser aceito pela comunidade europeia. “O ministério criou o protocolo, mas não está preocupado em solucionar o problema com a comunidade internacional”.

Luiz Roberto Giugni afirma que já esgotou todas as possibilidades de contato com o Ministério da Agricultura e sabe que a comunidade internacional está pressionando. “As pessoas estão preocupadas, cobram isso da federação internacional, que já não sabe mais o que responder. É um acerto de protocolo que precisa ser feito. Apesar de cobrarmos do ministério, não temos resposta. A paciência deles chegou ao limite e já estão pensando em buscar alternativas, se não vamos ter uma Olimpíada linda, em um lugar maravilhoso, mas sem cavalos.”

A mudança de país não seria inédita: Nos Jogos de Melbourne, na Austrália, em 1956, a disputa de hipismo teve que ser transferida para Estocolmo, na Suécia, porque a lei australiana exigia uma quarentena de seis meses de cavalos vindos de outro país. A dipusta, então, ocorreu na Suécia cinco meses antes dos Jogos.

(com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League