Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ministro do Esporte garante apoio do governo à Liga Sul-Minas-Rio

George Hilton recebeu o CEO da liga, Alexandre Kalil, e se disse totalmente a favor da competição. Pressionada por federações, CBF aguarda assembleia

Em queda de braço com as federações estaduais, especialmente a do Rio, a Liga Sul-Minas-Rio entrou em conflito com a CBF, mas recebeu um aliado de peso: o governo federal. Nesta quinta-feira, o ministro do Esporte George Hilton (PRB-MG) recebeu o diretor-executivo da liga, Alexandre Kalil, e garantiu apoio “irrestrito” à realização do torneio já no ano que vem.

“Desde o início da minha gestão, tenho defendido a criação de uma liga. É claro que a Liga Sul-Minas-Rio é apenas um passo inicial. Tivemos a aprovação da MP (do Futebol), o que foi excelente. Agora estamos partindo para a criação das ligas que em um futuro próximo podem englobar outros Estados e clubes do Brasil. Já é um passo para os clubes se reorganizarem, disputarem campeonatos mais competitivos e com isso termos um novo momento para o futebol”, disse George Hilton.

Leia também:

CBF volta atrás, retira apoio da Liga Sul-Minas-Rio e compra briga com clubes

Liga Sul-Minas é criada com ‘reforço’ da dupla Fla-Flu

Em texto publicado no site do Ministério do Esporte, Kalil, o ex-presidente do Atlético-MG e que hoje lidera as tratativas para a criação do torneio batizado de Primeira Liga, disse ter sido “espetacular” a conversa com Hilton e classificou a proposta como inovadora. “Nós recebemos apoio irrestrito do ministro, pois há legalidade em todo esse processo. Saímos daqui com a certeza que em todos os âmbitos: esportivo, legal e governamental. Então é totalmente viável. O ministro gosta da inovação, modernização do futebol. A Liga está totalmente amparada pela lei”, assegurou.

Na sexta-feira, o presidente da Federação do Rio (Ferj), Rubens Lopes, enviou duro ofício ao presidente da CBF, Marco Polo del Nero, se colocando contra a Liga e exigindo a aprovação dela em assembleia, como, no entender dele, manda o Estatuto da CBF. Depois disso, a CBF voltou atrás do aval dado à Liga e o condicionou à aprovação na assembleia. Os clubes, então, romperam com a CBF, a quem Kalil chamou de “a casa do 7 a 1”. Entre as reclamações, o fato de que a Copa do Nordeste, que já vem sendo disputada anualmente e com sucesso, não foi votada por assembleia.

Flamengo, Fluminense, Coritiba, Atlético-PR, Cruzeiro, Atlético-MG, Internacional, Grêmio, Figueirense e Avaí já estão confirmados na competição, caso ela realmente ocorra em 2016. Os outros dois integrantes serão definidos entre Chapecoense, Criciúma, Joinville, Paraná e América-MG, que também integram a liga.

(com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League