Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Marin aceita decisão e será extraditado aos EUA

Preso na Suíça desde maio, ex-presidente da CBF tem um apartamento em Nova York e tentará negociar acordo de 40 milhões de reais

A Justiça da Suíça autorizou nesta quarta-feira a extradição de José Maria Marin, preso em Zurique desde maio, para os Estados Unidos. O ex-presidente da CBF aceitou a decisão e agora pretende negociar um acordo de cerca de 40 milhões de reais para permanecer em prisão domiciliar em Nova York, onde mantém residência. Marin e outros seis cartolas foram detidos no dia 27 de maio na cidade suíça à pedido da Justiça americana. Segundo o inquérito aberto em Nova York, o brasileiro é suspeito de ter recebido pelo menos 3 milhões de dólares em propinas para repassar direitos de transmissão e de marketing da Copa do Brasil e da Copa América.

“Todos os requisitos para a extradição estão cumpridos”, declarou o Departamento de Polícia da Suíça. “Os fatos apresentados pelos EUA em seu pedido de extradição também são alvos de punição segundo a lei suíça”, explicou. De acordo com Berna, “ao aceitar subornos na atribuição de contratos de comercialização esportiva, Marin teria influenciado consideravelmente na concorrência e manipulado o mercado dos direitos relacionados com o meios de comunicação relativos à Copa América”.

Leia também:

Del Nero desconversa, mas diz que vai permanecer em cargo na Fifa

CPI do Futebol aprova quebra do sigilo bancário de Marin

Marin negocia fiança de R$ 40 milhões por prisão domiciliar

O ex-presidente da CBF foi o último dos sete dirigentes a ter seu caso examinado. Com a decisão a Suíça acatou a todos os pedidos de extradição dos Estados Unidos. A defesa de Marin avaliou se a decisão dos suíços da alguma forma permitiria brechas para um recurso, mas os advogados consideraram que prolongar a estadia de Marin na prisão seria apenas “perda de tempo” e desistiram de entrar com novo recurso.

O brasileiro tem um apartamento em Nova York e já negocia uma fiança milionária que o permitirá ficar em prisão domiciliar enquanto o julgamento ocorrer. Pelo acordo, seu imóvel seria confiscado pelos americanos, além de exigir um pagamento extra de mais 7 milhões de dólares. Os americanos trabalham para que o brasileiro concorde em ajudar nas investigações e o julgamento pode durar alguns meses.

A decisão é também uma má notícia para Marco Polo del Nero, atual presidente da CBF, e que também está sendo investigado pelo FBI. O dirigente não sai há quatro meses do Brasil, temendo ser preso. Advogados consideravam que Del Nero estava aguardando uma sinalização no caso de Marin para decidir como lidaria com o cerco que se fecha contra ele. Com a autorização da extradição de Marin, a Suíça indica respaldar a investigação americana.

(com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League