Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Guga é homenageado pelo COB, chora e faz discurso político: ‘Lutem pelo Brasil’

Ex-número 1 do ranking da ATP recebeu o Troféu Adhemar Ferreira da Silva no Prêmio Brasil Olímpico por todos os feitos de sua carreira.

O ex-tenista Gustavo Kuerten foi o homenageado durante o Prêmio Brasil Olímpico, na noite desta terça-feira, no Rio de Janeiro. O ex-número 1 do ranking da ATP recebeu do Comitê Olímpico do Brasil (COB) o Troféu Adhemar Ferreira da Silva por todos os feitos de sua carreira. Em seu discurso, Guga chorou, cobrou os políticos brasileiros e foi muito aplaudido.

“Na posição que ocupe hoje, acho que é quase uma obrigação dizer: eu aclamo aos nossos representantes, a quem está no governo do país e todos do poder publico e quem comanda o nosso país, que olhem para esta sala e se espelhem nestes atletas. Sejam justos, honestos, brasileiros de verdade e esqueçam um pouco o partido, a panelinha. Lutem pelo Brasil, por favor, nosso país e o povo merecem isso”, disse Guga já no fim de seu pronunciamento.

Leia também:

Guga celebra glórias – mas lamenta a falta de um sucessor

Gustavo Kuerten é escolhido embaixador do Comitê Paralímpico Brasileiro

Rio-2016: quadra de tênis é batizada em homenagem a Maria Esther Bueno

O atleta catarinense participou de duas edições dos Jogos Olímpicos (Sydney-2000 e Atenas-2004), e se emocionou bastante ao receber o prêmio batizado em homenagem ao bicampeão olímpico do salto triplo . “O esporte é demais. Hoje é o dia de 2015 que mais sinto orgulho de ser brasileiro. O esporte tem essa capacidade de envolver a gente, de emocionar as pessoas e eu sou um apaixonado. Aos oito anos de idade, lembro de Joaquim Cruz ganhando ouro, a geração de prata do vôlei, e cresci sonhando em participar de uma Olimpíada”, afirmou.

“Vivi esse sonho e me considero um campeão olímpico só por ter ido defender meu país junto com tantos atletas que eu admirava e pessoas que dedicam sua vida inteira a isso”, disse Guga, que não passou das quartas de final do evento em suas duas participações. “Este prêmio é especial para mostrar que o esporte brasileiro precisa ir além do resultado. A gente fica marcado por ter que sempre ganhar, mas isso é muito pouco. O esporte serve pra vida, é educação, é disciplina, é muito mais que isso.”

Guga relembrou o ano de 2000, quando foi eleito o melhor atleta do ano pelo COB, mas não pôde comparecer ao evento, porque estava de férias após ter conquistado o título da Masters Cup de Lisboa, que lhe rendeu o posto de número 1 do mundo alguns dias antes. “Queria deixar um beijo especial para minha mãe que veio aqui receber aquele prêmio no meu lugar e compartilhar com vocês o orgulho que eu tenho do meu país.” Neste ano, os vencdores do prêmio de atleta do ano foram Isaquias Queiroz e Ana Marcela Cunha.

(da redação)

Member of The Internet Defense League