Clique e assine com 88% de desconto

Fifa rejeita apelações de Blatter e Platini e mantém suspensões até janeiro

Líderes da Fifa e da Uefa foram punidos por causa de uma transação suspeita feita em 2011. Negativa compromete candidatura à presidência da Fifa do francês

Por Da Redação - 18 nov 2015, 11h11

A Fifa informou nesta quarta-feira que rejeitou as apelações de Joseph Blatter e Michel Platini contra a suspensão de 90 dias imposta pelo Comitê de Ética da Fifa da Fifa aos dois dirigentes, em outubro. Os presidentes da Fifa e da Uefa foram punidos por causa de um pagamento suspeito de 2 milhões de francos suíços feito por Blatter ao ex-jogador francês, nove anos depois de um suposto trabalho feito por Platini.

Leia também:

Candidato à presidência da Fifa planeja Copa com 40 seleções

Uefa descarta Platini e escolhe secretário-geral como candidato europeu à Fifa

Continua após a publicidade

Platini admite pagamento sem contrato e diz ser ‘à prova de balas’

Banido, sul-coreano acusa Blatter de golpe e compara Fifa ao Titanic

As suspeitas são de que o pagamento seria uma forma de Blatter compensar o francês por ter desistido de disputar as eleições presidenciais da Fifa em 2011. Platini nega e insiste que a transação é legal e se refere a um trabalho feito por Platini em 2002. De qualquer forma, os investigadores alertam que o caso ainda implicaria numa falsificação do balanço financeiro da Fifa, que jamais incluiu o valor em seus informes.

Desta forma, Blatter e Platini seguirão suspensos até 8 de janeiro, data bem próxima a das eleições para a presidência da Fifa – o pleito será realizado em 26 de fevereiro e essa apelação negada pela entidade foi mais um duro golpe sofrido por Platini, que pretendia ser candidato à sucessor de Blatter.

Continua após a publicidade

No último dia 12, a Fifa recusou o pedido de candidatura de Platini e confirmou como candidatos apenas cinco nomes: Ali Al Hussein, Salman Bin Ebrahim Al Khalifa, Jérôme Champagne, Tokyo Sexwale e Gianni Infantino, este último secretário-geral da Uefa, que abriria mão de concorrer ao cargo se Platini fosse liberado a participar do pleito.

Com a apelação rejeitada, Platini não poderá fazer uma desejada campanha para presidente da Fifa, cargo para o qual o francês era apontado como favorito a assumir antes da revelação do escândalo. Agora os dois dirigentes têm como outra única saída recorrer ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS).

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade