Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Fifa deve impedir Rafinha de atuar pela Alemanha; jogador nega interesse

Lateral do Bayern disse que pediu dispensa da seleção brasileira apenas porque sentiu que não receberia novas oportunidades do técnico Dunga

O lateral Rafinha, do Bayern de Munique, pediu dispensa da seleção brasileira na terça-feira e está em processo final de se naturalizar alemão e obter a dupla cidadania – o que aumentou os rumores sobre uma possível convocação do atleta de 30 anos para a seleção alemã. Chateado com as críticas que recebeu nas redes sociais, Rafinha negou que tenha pedido a liberação da seleção brasileira para poder jogar na campeã mundial. Ele disse ter desistido da convocação porque se vê com poucas chances de ser lembrado pelo técnico Dunga regularmente. No entanto, caso opte por defender a Alemanha no futuro, ele deve ter problemas com o estatuto da Fifa que trata sobre naturalizações.

Em 2005, Rafinha defendeu o Brasil no Mundial Sub-20 e, de acordo com as regras da Fifa, já teria de possuir dupla nacionalidade naquela época para poder atuar por outra seleção. “Ele não vai conseguir a troca de seleções. É impossível”, garantiu o advogado Eduardo Carlezzo, especialista em legislação esportiva, citando a alínea 1 do artigo 8 do Anexo 3 do estatuto da Fifa. Rafinha ainda não é naturalizado alemão, embora já esteja no país há 11 anos.

Leia também:

Rafinha pede dispensa do Brasil para defender Alemanha

‘Seleção não é lugar para religião’, avisa Dunga sobre culto no hotel

Dunga convoca seleção com 3 jogadores do Corinthians

Globo terá de sacrificar ‘JN’ e novela por seleção – sem Neymar

Carlezzo cita dois precedentes contra o lateral-direito. O volante Fernando jogou Mundial Sub-20 em 2007 pelo Brasil e no ano passado a Federação Portuguesa foi à Fifa para que jogasse por sua seleção, mas recebeu um não. Também foi negado o pedido em 2013 da Federação Mexicana pelo meio-campo Rubens Sambueza porque ele havia defendido a Argentina no Mundial Sub-17, em 2001.

Versão – Rafinha usou suas rede sociais para explicar sua atitude. Apesar de admitir a abertura do processo de dupla cidadania, ele negou que tenha o interesse em defender a Alemanha e disse que se sentiu desprestigiado na equipe brasileira. “Pedi liberação da seleção, porque não me vejo disputando uma vaga na lateral e não porque estou trocando o Brasil pela Alemanha. Eu não tenho e nunca tive contato com ninguém da DFB [Federação Alemã de Futebol]. Portanto esse negócio de negar a seleção ou a pátria não combina comigo”.

“Relembre 2008, na Olimpíada de Pequim, quando eu entrei em conflito com meu clube, na ocasião o Schalke 04, justamente para poder defender o Brasil. E, por sinal, o treinador era o Dunga que me convocou pra fazer parte daqueles 23 jogadores”, lembrou o jogador, que agradeceu ao técnico e ao coordenador Gilmar Rinaldi pela compreensão.

Rafinha foi chamado para disputar as duas primeiras rodadas das Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo de 2018, contra Chile e Venezuela. Como os atletas preferidos de Dunga para a posição (Daniel Alves, do Barcelona, e Danilo, do Real Madrid), estão machucados e o outro atleta convocado (Fabinho, do Monaco) tem sido chamado mais vezes, Rafinha pode ser considerado a quarta opção do treinador para a posição.

O jogador do Bayern havia sido convocado pela última vez por Luiz Felipe Scolari, para um amistoso contra a África do Sul, o último antes da Copa de 2014. Ele, no entanto, perdeu a vaga na lista definitiva do Mundial para Daniel Alves e Maicon. Recentemente, o lateral Phillip Lahm, capitão do tetracampeonato alemão no Brasil e que se aposentou da seleção, abriu as portas para a convocação de Rafinha, seu colega no Bayern, o que levantou os rumores sobre a possível convocação do atleta paranaense.

Lateral Rafinha usou o Twitter para esclarecer os motivos de sua dispensa da seleção brasileira

Lateral Rafinha usou o Twitter para esclarecer os motivos de sua dispensa da seleção brasileira (/)

(com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League