Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

F-1: Única mulher na atual temporada, Susie Wolff anuncia aposentadoria

A piloto de testes da Williams deixará o automobilismo aos 32 anos; ela foi a primeira mulher em 22 anos a disputar um treino livre na categoria

Única mulher na Fórmula-1 nesta temporada, a escocesa Susie Wolff, piloto de testes da Williams, anunciou nesta quarta-feira sua aposentadoria das pistas aos 32 anos. Ela entrou na equipe em 2012 como piloto de desenvolvimento; depois, tornou-se piloto de testes, mas nunca recebeu a oportunidade de participar de uma corrida da Fórmula-1, embora tenha sido escalada em algumas sessões de treinos livres.

“Eu gostaria de agradecer à Williams pela oportunidade que me deu ao longo dos últimos anos, que me permitiu alcançar o sonho de pilotar um carro de Fórmula 1″.Tem sido ótimo trabalhar com todos na equipe e gostaria de agradecer a todos que fizeram parte da minha jornada na Williams. Agora estou fechando este capítulo, mas ansiosa para novos desafios no futuro”, completou.

Em 2014, quando participou do primeiro treino do livre GP da Inglaterra, Susie Wolff se tornou a primeira mulher, após 22 anos, a participar dos treinos da Fórmula 1 – antes dela, a italiana Giovanna Amati pilotou em três treinos classificatórios na temporada de 1992, com um Brabham. No total, Susie participou de quatro treinos livres com a Williams, sendo o último deles também na Inglaterra, em Silverstone, neste ano. Antes de deixar de vez o automobilismo, ela ainda vai participar da Corrida dos Campeões, que será realizada em 20 e 21 de novembro no Estádio Olímpico de Londres, formando a dupla da Escócia com David Coulthard, ex-piloto da categoria máxima do automobilismo.

Hamilton vence e dispara na liderança do Mundial

Massa e Bottas veem Williams como terceira força da F1

Mulheres na F-1 – Susie Wolff é filha de Paul Stoddart, ex-dono da escuderia Minardi, e é casada com o austríaco Toto Wolff, diretor da Mercedes. Até o ano passado, ela não era a única mulher na Fórmula-1: a suíça Simona de Silvestro compunha a equipe da Sauber também como piloto de testes, mas acabou deixando a categoria para disputar a Fórmula-E. Outra mulher que recentemente trabalhava na Fórmula-1 era a espanhola Maria de Villota, que foi encontrada morta em um hotel em Sevilla, na Espanha, em 2013, em decorrência de causas naturais, de acordo com as autoridades. Villota era piloto de testes da Marussia e, um ano antes de sua morte, sofreu grave acidente no aeroporto de Duxford, na Inglaterra, que segundo seus familiares foi a causa de sua morte.

(Com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League