Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em livro, Suárez explica discussão com Evra: ‘Não sou racista’

Atacante uruguaio admitiu ter chamado o francês Patrice Evra de 'negro' em uma briga, mas disse que o termo tem outra conotação em seu país

O atacante uruguaio Luis Suárez se defendeu das acusações sobre racismo – que lhe renderam suspensão de oito jogos em 2011, quando ainda era jogador do Liverpool – em sua biografia Crossing the Line, My Story, recém-lançada na Europa. Segundo Suárez, a discussão com o francês Patrice Evra, então no Manchester United, teve um problema de tradução que gerou problemas. “Não sou racista. Estou triste e desiludido, isso vai me acompanhar para sempre. Não usei a palavra ‘negro’ no mesmo sentido que existe no inglês. Obviamente, não pretendia ser simpático com Evra, mas não quis ofendê-lo de maneira racista. Em espanhol o sentido é diferente. Minha mulher me chama de ‘negro’ e minha avó chamava meu avô de ‘negrito”, explicou o jogador do Barcelona.

Leia também:

Luis Suárez: o craque das reações intempestivas

Vídeo: relembre a mordida de Suárez

“Mordida” do uruguaio Suárez ganha versões na internet

Na discussão em 2011, Evra foi questionar Suárez por uma agressão sofrida num lance. Segundo declarações do francês na época, o uruguaio teria respondido “porque você é negro”. Na versão do atacante, porém, houve um problema de tradução. Ele teria dito “why, negro?” (‘por que, negro?, questionando a pergunta do adversário, e não ‘because you are negro’ (‘porque você é negro’, explicando o motivo de sua agressão). “Ele começou a discutir comigo e só me lembro de ele ter me chamado de sul-americano. Evra me perguntou por que o tinha chutado. Achei isso hipócrita para um defensor que passa o jogo inteiro cometendo faltas e apenas questionei”, afirmou Suárez no livro.

Alguns meses depois daquela partida, Suárez e Evra voltaram a se encontrar em um clássico. Na ocasião, o uruguaio se negou a cumprimentar o lateral na entrada das equipes em campo, fato que revoltou o Manchester United – o técnico Alex Ferguson chegou a dizer que Suárez representava “uma desgraça para o futebol”. Em seu livro, o atacante admite que não deveria ter negado o aperto de mão. “Nunca lhe pedi perdão, porque acho que não fiz nada errado, mas não teria havido problema nenhum em dar-lhe a mão na vez que nos reencontramos.” Neste ano, Suárez voltou a ser impedido de atuar, desta vez por morder o zagueiro italiano Giorgio Chiellini, na Copa do Mundo do Brasil. Ele cumpriu quatro meses de suspensão e voltou a jogar neste sábado, na derrota por 3 a 1 do Barcelona para o Real Madrid.

(Com agência Gazeta Press)

Member of The Internet Defense League