Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

CBF obtém nova vitória no STF e tem contratos protegidos

Entidade presidida por Marco Polo Del Nero alegou que há cláusulas de confidencialidade nos contratos com patrocinadores

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) obteve mais uma vitória no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira. O ministro Marco Aurélio Mello atendeu ao pedido de liminar feito pela entidade para proteger seus contratos e os documentos não serão entregues à CPI do Futebol no Senado. A comissão havia aprovado requerimento do seu relator, o senador Romero Jucá (PMDB-RR), para ter acesso a acordos assinados entre a CBF e alguns de seus parceiros.

Deveriam ser entregues à CPI os contratos com as empresas Internacional Sports Events (ISE), Uptrend Development, Plausus e Kentaro, a relação da remuneração recebida pela CBF, desde 2002, das empresas com as quais manteve contrato envolvendo comercialização de jogos da seleção brasileira, a renda obtida com bilheteria e direitos de transmissão dos jogos da seleção, e a cópia dos contratos de patrocínio com a General Motors e a Volkswagen nos últimos dez anos.

Leia também:

CBF obtém liminar do STF para não ceder contratos à CPI do Futebol

Del Nero vai depor sobre negociações da gestão Marin na CBF

CPI do Futebol aprova quebra do sigilo bancário de Del Nero

Del Nero fala sobre viagem aos EUA com a seleção: ‘Não há nada que me impeça’

Os parlamentares também queriam a relação do dinheiro recebido referente à Copa do Mundo de 2014 e como esses valores foram empregados pela CBF. Na última terça-feira, a CBF entrou com um pedido de mandado de segurança no STF para não enviar à CPI os documentos. Nesta sexta-feira, foi publicada a decisão de Marco Aurélio Mello, que, em medida cautelar, atendeu à solicitação da confederação.

Esta foi a segunda vitória da entidade presidida por Marco Polo Del Nero na Justiça contra a CPI. Na semana passada, a CBF já havia obtido uma liminar no STF – também dada por Mello – que negou o acesso a acordos comerciais de patrocínio, direitos de transmissão de jogos e competições, publicidade e viagens, após requerimento do senador Romário (PSB-RJ), presidente da CPI.

Nos dois pedidos ao STF, a CBF alega que há cláusulas de confidencialidade nos contratos. Segundo a entidade, a divulgação dos acordos comerciais poderia prejudicar a sua relação com os patrocinadores. Por enquanto, Del Nero sofreu apenas uma derrota na disputa judicial com os senadores. O dirigente entrou com um pedido para suspender a quebra dos seus sigilos bancário e fiscal, mas o ministro Edson Fachin indeferiu a solicitação e as movimentações financeiras do cartola, inclusive, já foram entregues à CPI.

(com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League