Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Broncos e Panthers decidem Super Bowl histórico

Edição de número 50 da final do futebol americano terá duelo de gerações entre Peyton Manning e Cam Newton neste domingo

Cada vez mais popular no Brasil, o futebol americano agitará este domingo de Carnaval. Carolina Panthers e Denver Broncos decidem, a partir das 21h (horário de Brasília), a 50ª edição do Super Bowl, a final da NFL (liga nacional de futebol americano, na sigla em inglês) e maior evento esportivo dos Estados Unidos. Entre os espetáculos musicais e comerciais milionários, o jogo colocará frente a frente duas estrelas de diferentes gerações: Peyton Manning, dos Broncos, que pode se aposentar aos 39 anos, e Cam Newton, dos Panthers, nova estrela da liga, de 26 anos.

O duelo de gerações e estilos dos quarterbacks é a principal atração da decisão, que coloca frente a frente o time do Colorado, vencedor da Conferência Americana (AFC), e o da Carolina do Norte, que conquistou o título da Conferência Nacional (NFC). O jogo acontece no Levi’s Stadium, casa do San Francisco 49ers, na cidade de Santa Clara, Estado da Califórnia, com capacidade para 68.500 pessoas.

Leia também:

Lady Gaga cantará hino dos EUA no Super Bowl 50

NFL: Manning vence duelo com Brady e Broncos farão Super Bowl 50 contra Panthers

Em VEJA: como virar o jogo perdendo de 7 a 1

Pela primeira vez na história, dois quarterbacks selecionados como primeira escolha do draft (como é chamada a seleção de atletas vindos da universidade) disputarão o Troféu Vince Lombardi, dado ao time campeão. Manning, escolhido pelo Indianapolis Colts em 1998, chega ao quarto Super Bowl de sua carreira, tendo conquistado um título pelos Colts, em 2007. Questionado se este pode ser o último jogo de sua carreira, Manning disse que ainda não tem a resposta e que prefere aproveitar o momento a falar sobre aposentadoria. Já Newton, de 26, e que foi aposta dos Panthers em 2011, estreia na decisão com o peso de levar seu time à inédita conquista do título.

Separados por 13 anos, um mês e 17 dias – a maior diferença de idade entre quarterbacks titulares na história da decisão -, os dois têm estilos bastante diferentes. Manning sempre foi considerado um ícone dentro do pocket, região onde o quarterback fica protegido pelos companheiros de ataque para lançar as bolas. Já Newton, além de possuir bom passe, é capaz de correr com a bola e conquistar jardas com os próprios pés, talento que o rival de domingo não possui.

O astro dos Panthers chega ao Super Bowl 50 em melhor fase, fato reconhecido pelo veterano adversário. Em entrevista durante a semana de preparação para o jogo, Manning afirmou que não tem dúvidas de que o adversário será eleito o Jogador Mais Valioso (MVP, na sigla em inglês) da temporada, um prêmio que ele próprio venceu em cinco oportunidades, um recorde da NFL.

Os elogios se justificam. Newton terminou a temporada regular com 35 touchdowns em passes, além de outros 10 corridos, e apenas dez interceptações. Já Manning sofreu uma lesão que o tirou de seis partidas e registrou seu primeiro retrospecto negativo em 18 anos de liga: nove passes para touchdown e 17 interceptações.

Liderados pelo grande desempenho de Newton, os Panthers chegam para esta 50ª edição de Super Bowl com a melhor campanha, já que perderam apenas uma vez na temporada regular, na penúltima rodada, para o Atlanta Falcons. Nas semifinais da Conferência Nacional, o time da Carolina do Norte passou pelo Seattle Seahawks por 31 a 24, e na decisão, atropelou o Arizona Cardinals por 49 a 15, garantindo lugar no Super Bowl pela segunda vez na história – a primeira foi em 2004, quando foi derrotado pelo New England Patriots por 32 a 29.

Em sua sétima decisão de título e com dois trófeus conquistados, os Broncos fizeram uma campanha de 12 vitórias e quatro derrotas na temporada regular. Nos playoffs, o time do Colorado passou primeiro pelo Pittsburgh Steelers por 23 a 16, para depois encarar o atual campeão New England Patriots. No possível último duelo entre Manning e Tom Brady, o mais veterano levou a melhor sobre o marido de Gisele Bündchen, por 20 a 18, garantindo o título da Conferência Nacional.

Show – Além do grande duelo pelo anel de campeão da NFL, o Super Bowl sempre chama a atenção pela magnitude de seus espetáculos musicais. Desta vez, o responsável pelo multimilionário “show do intervalo” será a banda britânica Coldplay, com participações de Beyoncé e Bruno Mars.

Durante entrevista da banda na véspera da partida, o líder Chris Martin admitiu não saber nada sobre futebol americano e brincou que torceria pelo “Denver Panthers” na decisão. Caberá à cantora Lady Gaga cantar o hino americano antes da partida. Em uma das gafes mais recordadas do evento, a cantora Christina Aguilera errrou a letra da canção, em 2011.

A CBS, emissora que detém os direitos de transmissão para os Estados Unidos neste ano, fixou o valor de 5 milhões de dólares (19,9 milhões de reais) por 30 segundos de propaganda, um recorde em 50 anos de disputa do Superbowl. Mas, diferente do que aconteceu em outros anos, a emissora teve problemas para vender os espaços. De acordo com a imprensa americana, até 26 de janeiro, ou seja, 13 dias antes do confronto, ainda era possível comprar um anúncio no intervalo da partida.

Em todo o mundo, a expectativa da liga americana é que 100 milhões de pessoas acompanhem o confronto entre Broncos e Panthers. No Brasil, o evento será transmitido em TV fechada e também nos cinemas.

(com agência EFE)

Member of The Internet Defense League