Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Aproveitamento dos brasileiros na Libertadores decepciona até agora: 55% dos pontos

No balanço da participação brasileira no torneio, paulistas têm começo fraco. Flu e Grêmio oscilam demais. E o Atlético-MG brilha e está praticamente classificado

O futebol é apenas um coadjuvante no balanço da participação dos times brasileiros até agora na Libertadores. Atos de violência dentro e fora dos estádios e muitas reclamações da arbitragem acabam ofuscando o fato de que, tecnicamente, os seis representantes do país ainda estão devendo. A exceção é o Atlético-MG, com sua campanha perfeita: três jogos, três vitórias, nove gols marcados e quatro sofridos, a segunda melhor campanha entre os 32 participantes, atrás apenas dos mexicanos do Tijuana, e alguns lances de encher os olhos, como o gol de Jô contra o São Paulo, quando Ronaldinho Gaúcho apareceu sozinho para receber um passe de lateral, no qual não existe impedimento, e cruzar para Jô marcar. Com essa campanha brilhante, o Atlético só precisa de mais uma vitória para se classificar – joga nesta quarta, na Bolívia, contra o Strongest.

Leia também:

Tragédia em Oruro: só mudou quem sentiu a dor da morte

Palmeiras convoca governo e rivais para punir bandidos

Rivais no Grupo 8, Fluminense e Grêmio vêm fazendo campanhas apenas regulares, marcadas por oscilações. O time gaúcho vinha bem, com duas vitórias consecutivas depois de uma estreia desastrosa contra o Huachipato, em casa. Na noite de terça, voltou a perder, de virada, para o Caracas. O time carioca, atual campeão brasileiro, até tem conseguido bons resultados, mas sem convencer – tanto que, na quarta passada, após um empate em casa contra o mesmo Huachipato, os jogadores saíram de campo vaiados pela torcida. Ainda é muito possível, porém, que os dois times avancem às oitavas de final.

Já os paulistas, até agora, decepcionaram. Atual campeão da Libertadores e Mundial, o Corinthians só venceu um em três jogos e teve sua participação manchada pela morte do boliviano Kevin Espada, vítima de um sinalizador disparado por corintianos no primeiro jogo da equipe, contra o San José, em Oruro, na Bolívia. O time teve de jogar um jogo sem torcida – ou melhor, com quatro torcedores, que entraram no Pacaembu graças a liminares baseadas no Código de Defesa do Consumidor – e seus fãs ainda estão proibidos de frequentar os jogos fora de casa. Os palmeirenses não ficaram atrás e também fizeram feio, tentando agredir alguns jogadores no aeroporto em Buenos Aires, após a derrota para o Tigre, a segunda em três partidas. O São Paulo também só ganhou uma vez, num jogo em que a atuação foi “cornetada” por um dirigente, e ainda viu Luís Fabiano acrescentar mais uma expulsão à lista de bobagens que marca sua carreira – esta, contra o Arsenal, após o apito final. A reclamação contra os juízes, aliás, tem sido uma tônica: o Corinthians também saiu de campo, após a derrota para o Tijuana, se queixando de impedimento não marcado no gol do time mexicano.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

Em números, os times brasileiros somam até agora vinte partidas e um aproveitamento de 55% dos pontos disputados (33 em 60 possíveis), com dez vitórias, três empates e sete derrotas, 31 gols marcados e 24 sofridos. Nesta semana, além do Grêmio, Corinthians, Atlético-MG e São Paulo entram em campo para melhorar esse desempenho e tentar acrescentar a essa conta gols e belas jogadas – que, até agora, têm ficado em segundo plano.

Member of The Internet Defense League