Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Após seguidos prejuízos, consórcio poderá devolver Maracanã ao Governo do Rio

Com capacidade para 78 mil pessoas, o estádio nunca lotou desde que foi reformado pela última vez

Prevista para durar 35 anos, a concessão do estádio do Maracanã para a iniciativa privada pode acabar com menos de 10% do prazo transcorrido. Apresentando sucessivos déficits operacionais, a concessionária que administra o estádio desde 2013 cogita devolver o Maracanã para o governo do Estado do Rio nos próximos meses. E ela estaria disposta até mesmo a pagar a multa prevista em contrato. O problema é que a administração do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), que enfrenta uma grave crise financeira em função da queda dos royalties de petróleo e de ICMS, não tem o menor interesse em retomar o controle do estádio.

Leia também:

Odebrecht quer vender sua parte na concessão do Maracanã

No balanço financeiro de 2013, a Concessionária Maracanã – formada pela empreiteira Odebrecht, que detém 95% dos ativos, e pela norte-americana AEG – apresentou prejuízo de R$ 48 milhões, enquanto que no exercício do ano passado a conta ficou negativa em R$ 77,2 milhões. Este ano, deve fechar no vermelho mais uma vez.

Além do Maracanã, que fica na zona norte carioca, em trecho próximo ao centro, a Odebrecht é controladora da Arena Pernambuco e de metade da Arena Fonte Nova, em Salvador. Mas é justamente no mais icônico dos estádios brasileiros que a construtora encontra as maiores dificuldades financeiras, já que, diferentemente dos estádios no Nordeste, o modelo de negócio assinado no Rio estabelece que cabe apenas à concessionária arcar com eventuais prejuízos. É por causa disso que o fim do acordo parece inevitável.

Oficialmente, tanto a Concessionária Maracanã quanto a Casa Civil do governo fluminense asseguram que as duas partes ainda negociam. Ambas, inclusive, usaram a mesma expressão – busca por um “reequilíbrio do contrato de concessão” – para destacar que o rompimento do acordo ainda não é definitivo.

O governo do Rio concorda que os termos da concessão precisam ser revistos. No edital de licitação estava estabelecido que a empresa que assumiria a gestão do estádio teria direito a construir estacionamentos e lojas nos locais onde ficam o Museu do Índio, o Parque Aquático Júlio Delamare, o estádio de atletismo Célio de Barros e a escola municipal Arthur Friedenreich, todos localizados no entorno do Maracanã. Mas, posteriormente, a demolição de todos essas edificações foi impedida em 2013 por decisão do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), devido à repercussão negativa.

Os prejuízos financeiros têm relação direta com a mudança no escopo do contrato. “O Maracanã vem realizando esforços contínuos para reduzir os custos fixos, minimizar os prejuízos operacionais e se adequar aos impactos da alteração unilateral do contrato de concessão e aos períodos de interrupção da operação como na Copa do Mundo e Olimpíada”, informou a concessionária, em nota.

Demissões – Dentre o que chamou de “esforços contínuos para reduzir os custos fixos” está a demissão de funcionários. Em outubro, 32 dos 80 empregados (40%) foram dispensados. Novos cortes estão previstos. “O Maracanã possui um planejamento para desmobilização gradativa do seu quadro de integrantes, a fim de se adaptar ao período de uso exclusivo dos Jogos Olímpicos, quando cederá suas instalações ao Comitê Rio-2016 por até nove meses”, comunicou o consórcio.

Com capacidade para 78 mil pessoas, o Maracanã nunca lotou desde que foi reformado pela última vez. Segundo o site da própria concessionária, o recorde de público desde que ela passou a operar o estádio, em 2013, foi de 68.857 pessoas – o público de 74.738 torcedores que esteve na final da Copa do Mundo do ano passado (Argentina x Alemanha) não é contabilizado porque a arena estava cedida à Fifa.

Manutenção – O custo anual apenas para manutenção do estádio supera os R$ 10 milhões, mas a despesa chega a ser multiplicada por oito quando se incluem os gastos com serviços de segurança, equipamentos, água, luz e outros serviços.

É por isso que o governo do Rio de Janeiro não cogita receber de volta a administração do Maracanã. O Estado passa por grave crise financeira e tem atrasado repasses em áreas essenciais, como educação e saúde, e o pagamento de funcionários e fornecedores.

“A Concessionária e o Governo do Estado do Rio de Janeiro ainda estão em negociação sobre o reequilíbrio do contrato de concessão, com vistas à assinatura de aditivo que redefina o escopo e o cronograma das obras incidentais”, informou o Maracanã.

Se esse reequilíbrio não for encontrado, um dos mais emblemáticos estádios de futebol do mundo acabará se tornando também um dos mais emblemáticos “elefantes brancos” do planeta.

(Com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League