Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Zoe Saldana é criticada por não ser negra o suficiente para viver Nina Simone

Familiares e fãs rechaçaram a escolha da atriz para protagonizar cinebiografia da cantora

A escolha da atriz americana Zoe Saldana para o papel de Nina Simone, no filme Nina, foi criticada por familiares e fãs da cantora de soul e jazz, morta em 2003. Sam Waymon, irmão de Nina, disse ao site TMZ que a irmã, conhecida por seu ativismo na luta pelos direitos civis dos negros, ficaria decepcionada com a seleção de Zoe, que teve a pele escurecida com maquiagem para se parecer com a personagem. “Isso é uma agressão ao legado de Nina”, disse.

Segundo ele, diversas outras atrizes com a pele mais escura poderiam ter sido escolhidas para o papel da cantora, como Viola Davis e India Arie. Simone Kelly, filha de Nina, também chegou a dizer que não achava Zoe uma boa escolha, e também apontou Viola como favorita.

LEIA TAMBÉM:

Zoe Saldana, de ‘Guardiões da Galáxia’, posa nua para revista

Zoe Saldaña será protagonista da série ‘O Bebê de Rosemary’

Defesa – O estúdio por trás do filme defendeu a escolha de Zoe para o papel. O fundador e presidente do conselho da RLJ Entertainment, Robert L. Johnson , disse que a atriz, de ascendência porto-riquenha, não deveria ser julgada pela cor de sua pele.

“A criatividade ou qualidade da performance nunca deve ser julgada em termos de cor, etnia, ou aparência física”, disse Johnson, que também é fundador da Black Entertainment Television (BET), em declaração.

O filme, dirigido por Cynthia Mort (Valente), narra o período em que Nina viveu exilada na França e a relação dela com seu assistente (que se torna empresário) Clifton Henderson (David Oyelowo), que a ajudou a retomar sua carreira nessa época. A produção chega aos cinemas dos Estados Unidos no dia 22 de abril (ainda não há previsão de estreia no Brasil), quase um ano após o lançamento de What Happened, Miss Simone?, documentário sobre a vida da artista que recebeu uma indicação ao Oscar 2016.


(Da redação com agência Reuters)

Member of The Internet Defense League