Clique e assine com 88% de desconto

Performance de museu vetada pelo governo do Rio é apresentada na rua

Ato, que faz referência à tortura durante a ditadura militar no Brasil, foi proibida pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do governo Wilson Witzel

Por Redação - 15 jan 2019, 10h19

Depois de ter sido proibida pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do governador carioca Wilson Witzel (PSC), a performance do grupo “És Uma Maluca”, que seria realizada como parte da exposição Literatura Exposta, na Casa França-Brasil, foi encenada na rua, na área externa do museu, na tarde da última segunda-feira, 14.

Pouco depois das 18h, uma mulher deitou no chão de paralelepípedos com o vestido puxado até acima da cintura e as pernas abertas. Sobre a lingerie cor-de-pele, espalharam-se baratas de plástico até o chão, amontoando-se às centenas em torno da moça e sobre um bueiro, enquanto, de uma caixa de som, saía uma voz abafada exaltando os feitos do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra – um dos maiores torturadores do exército brasileiro durante a ditadura militar. A voz pertencia ao atual presidente, Jair Bolsonaro. 

 

A encenação foi baseada no conto Baratária, de Rodrigo Santos, que se inspirou no relato de uma professora ouvido por ele na sua adolescência. A obra de Santos está disponível no site da exposição.

Continua após a publicidade

A prática de inserir baratas nas partes íntimas de corpos femininos não era rara durante a ditadura e também foi denunciada pela cineasta Lúcia Murat em 2013 à Comissão da Verdade.

A performance complementou a instalação A Voz do Ralo é a Voz de Deus, composta apenas pela tampa de bueiro e pelas baratas de plástico, que estava exposta dentro do museu e já havia sido alvo de polêmica em dezembro. Na ocasião, a reprodução do áudio de Bolsonaro foi proibida e, no lugar, o coletivo incluiu uma receita de bolo, imitando um dos recursos utilizados pela imprensa para driblar a censura nos anos 70.

 

Publicidade