Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Guilherme Winter, o profeta-galã do horário nobre

Ator que interpreta o líder Moisés na novela da Record ‘Os Dez Mandamentos’ encantou o público com sua beleza física e uma postura discreta e comedida na vida real

“Será que existe alguém no mundo mais lindo do que esse homem?”, “Vem me visitar, meu amor?”. Os comentários, encontrados em abundância no perfil de Guilherme Winter no Instagram, não fogem do padrão das páginas de outros atores de televisão brasileiros. Mas, entre um elogio e outro, surgem frases como: “Quando Deus resolveu colocar ele no mundo estava bem inspirado!”, “Atuação espetacular, senti a presença de Deus através de você e de todo elenco” – que evidenciam a origem do sucesso do ator: a novela bíblica da Record Os Dez Mandamentos. Como o profeta Moisés, o paulistano de 36 anos conquistou não só o público religioso, acostumado com as produções bíblicas da emissora de Edir Macedo, mas também espectadores (e espectadoras, principalmente), que conseguiram enxergar além da peruca e do aspecto envelhecido de seu personagem e encontrar um galã discreto, comedido nas palavras e adepto de certa filosofia “paz e amor”.

Leia também:

Nova temporada de ‘Os Dez Mandamentos’ impulsiona audiência da Record

Record lança linha de bijuterias de ‘Os Dez Mandamentos’

Filme ‘Os Dez Mandamentos’ terá versão estendida para a Páscoa

Em entrevista ao site de VEJA, o ator analisa o personagem que encarna há mais de um ano. “Moisés é uma pessoa justa, que se coloca muito no lugar do outro. Um homem realmente especial, com uma grande missão e um fardo, ao mesmo tempo.” Ele, contudo, diz que não tem religião definida e que acredita que são as atitudes das pessoas que as definem. “Sempre busquei desenvolver meu lado espiritual, mas acredito que temos de evoluir no dia a dia, nas atitudes, na maneira como nos comportamos na sociedade, na forma como tentamos ser pessoas melhores. Suas atitudes são o reflexo do que você é por dentro.”

Atento para não acabar em maus lençóis por alguma declaração controversa, o ator respondeu às perguntas da entrevista com poucas palavras e muito cuidado. Ao falar sobre o momento atual da política brasileira, por exemplo, prega a tolerância e não toma partido nenhum. “Acho que precisamos calma. Olhar a situação com distância. As pessoas estão muito inflamadas umas com as outras. Precisamos respeitar a opinião que é diferente da nossa, a cor da camisa do outro. Ainda temos uma história curta dentro da democracia. Precisamos evoluir em muitos aspectos, mas esse é o caminho. E amor.”

O amor, aliás, é outro assunto inevitável. Além de fama, a novela bíblica rendeu ao ator sua atual namorada, Giselle Itié, intérprete de Zípora, parceira de Moisés em cena. O romance também recebeu a benção dos fãs, que enlouquecem quando um dos dois publica nas redes sociais uma imagem juntos. Ao comentar o romance, porém, o ator não entrega muita coisa. “É uma parceria maravilhosa. Ela é uma grande parceira”, diz.

Da Globo à Record – Antes de viver o líder dos hebreus em Os Dez Mandamentos, Winter já havia treinado o “dialeto bíblico” em outras produções na Record. Em 2015, na minissérie Milagres de Jesus, viveu o carpinteiro Gideon, que fica cego ao aceitar um trabalho que vai contra suas crenças religiosas. Em seu primeiro trabalho na emissora de Edir Macedo, na minissérie José do Egito (2013), ele viveu Rúben, o filho mais velho de Jacó, que tem sua história contada no livro Gênesis da Bíblia. “José do Egito foi uma grande preparação para fazer Moisés. Personagens bíblicos são muito densos, com histórias muito dramáticas. Não tenho dúvida alguma que foi decisivo na qualidade do meu trabalho”, conta Winter. No canal, o ator também teve papéis na novela Pecado Mortal (2013) – que não era bíblica, apesar do nome – e no especial de fim de ano Manual Prático da Melhor Idade (2014).

Antes da Record, Winter já tinha uma carreira de oito anos na Rede Globo. Tornou-se um global em 2006, com um papel pequeno na novela das sete Cobras & Lagartos. Passou pela produção adolescente Malhação (2007-2008) e pela novela das seis Paraíso (2009) antes de se tornar um dos protagonistas do remake de Ti-Ti-Ti, em 2010. Depois, ainda fez participações nas séries Tapas & Beijos e As Brasileiras e na novela Cheias de Charme (2012). Sobre a troca de emissoras, Winter volta a ser sucinto: “Foi muito tranquilo. Meu contrato com a Globo tinha terminado e a Record me procurou para fazer um teste pra José do Egito“.

O gosto pela atuação surgiu quando ele foi trabalhar com cenografia em um teatro em Itaparica, na Bahia, e se encantou com o universo da encenação. A vocação o levou a abandonar a faculdade de desenho industrial na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, curso escolhido por ele pelo talento para desenhar. Winter se mudou para o Rio de Janeiro e se matriculou na Casa das Artes de Laranjeiras, escola que já formou nomes como Taís Araújo, Marcos Palmeira e Murilo Benício.

Os próximos desafios de Moisés – Atualmente na segunda temporada de Os Dez Mandamentos, Winter vai enfrentar novos desafios. Depois de abrir o Mar Vermelho e de acabar com o exército do malvado faraó Ramsés (Sergio Marone) no ano passado, Moisés tem que lidar com outros problemas, como organizar os hebreus em uma sociedade e abafar as eventuais rebeliões de seu povo, que já está cansado de tanto andar rumo à Terra Prometida. Uma dessas revoltas é o que vai levar a nova fase a seu clímax: a abertura da terra. “O material bruto que vi, sem os efeitos, está incrível. A cena vai ficar linda”, diz o ator, que ainda não rodou sua parte do roteiro.

A sequência começa com uma rebelião organizada por Corá (Vitor Hugo), que acusa Moisés de levar os hebreus para o deserto sem nenhum propósito, sem chegar à tal terra próspera. Deus, que está guiando o povo, se enfurece com a desobediência dessa parcela dos hebreus e abre uma gigantesca cratera, que vai engolir os rebeldes, suas famílias e seus pertences. Para Winter, a sequência em que Moisés divide as águas do Mar Vermelho ainda é mais impressionante do que a que ele está prestes a gravar. “A cena do mar é muito emblemática, famosa”, diz, preferindo não opinar sobre a possibilidade de a abertura da terra dar novo recorde de audiência à trama de Vivian de Oliveira, como ocorreu quando as águas se abriram.

Com certeza a cena, que vai lançar mão de complexos efeitos especiais, colocará Os Dez Mandamentos na boca do povo. Da estreia da segunda temporada, em 4 de abril, ao último dia 25, a novela obteve audiência média de 15 pontos na Grande São Paulo. Um número respeitável, que vem dando à Record o segundo lugar no Ibope, à frente do concorrente SBT e atrás somente da Globo. Mas, ainda assim, o número fica bastante distante daquele obtido no auge da temporada passada, quando o folhetim chegou a 28,1 pontos de média com a abertura do Mar Vermelho e venceu a emissora carioca, surpreendendo o próprio elenco e a produção do folhetim bíblico.

Os próximos meses serão os últimos de Guilherme Winter como Moisés. Ele dará lugar a Josué (Sidney Sampaio) como o novo líder dos hebreus, que assume o posto definitivamente na próxima novela religiosa da emissora, A Terra Prometida. A morte de Moisés, como é contada na Bíblia, vai acontecer antes de os hebreus conquistarem o local que Deus reservou a esse povo – e nos capítulos finais de Os Dez Mandamentos – Nova Temporada. Depois de um trabalho intenso, com direito a conversas com Deus, guerras com outros povos e aberturas do mar e da terra, o descanso será merecido para Moisés, e também para Winter. “O papel vai deixar saudades… A família Dez Mandamentos é algo raro, muito especial. Mas preciso de férias também”, diz aos risos.

Member of The Internet Defense League