Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Depois do fim do mundo

'Vingadores: Ultimato' vem repleto de despedidas, de sacrifício e de catarse

Em um dia preguiçoso de verão, as crianças brincam na grama e os ca­chor­ros-quen­tes estão quase prontos. Ninguém vai comê-los: esse é o dia que Thanos (Josh Brolin), vilão de fortes opiniões demográficas, escolheu para dizimar metade de toda a população do universo — e é o dia, portanto, em que Gavião Arqueiro (Jeremy Renner) perde toda a sua família, desfeita em pó sem que ele entenda o que está se passando. Gavião e os outros super-heróis que escaparam do pangenocídio de Thanos terão agora de enfrentar a doença que infectou o século XX e chegou até eles com virulência imprevista — a culpa dos sobreviventes. Cada um manifesta os sintomas de forma diversa. Inconformado com a morte dos bons, Gavião vira um justiceiro obcecado por eliminar também os maus. Capitão América (Chris Evans) pondera que salvar uma pessoa é um gesto simbólico que equivale a salvar a humanidade, e dedica-se aos grupos de apoio. Viúva Negra (Scarlett Johansson) persegue pistas de — qualquer coisa, num combate à sensação de futilidade compartilhado também por Nebula (Karen Gillan), Rocket (Bradley Cooper) e a Capitã Marvel (Brie Larson). Em depressão, Thor (Chris Hemsworth) mergulha na cerveja e cria barriga, enquanto Hulk (Mark Ruffalo), contraditoriamente, encontra alguma paz em abraçar seu lado monstruoso. O Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) conta suas bênçãos: vida, mulher e agora também uma filha. Por isso é o que mais hesita quando o Homem-Formiga (Paul Rudd) por fim escapa de seu exílio no universo quântico e traz uma ideia para reverter as ações de Thanos; é um dos poucos para quem o presente não é só uma sombra do passado.

É drama, não ação nem aventura, e até o humor tão característico da Marvel vem aqui com um toque melancólico. Começar assim e prosseguir nesse ritmo durante bem mais de uma hora (de um total de três) naquela que as projeções anunciam como a segunda ou até a primeira bilheteria mundial da história é uma decisão audaciosa dos irmãos Joe e Anthony Russo, os diretores de Vingadores: Ultimato (Avengers: Endgame, Estados Unidos, 2019), já em cartaz no país. Mas a decisão se apoia sobre uma fundação robusta: os vinte filmes nos quais, no decorrer de onze anos, a Marvel meticulosamente construiu um mundo tão intrincado, e tão aliciante, que para parte do público ele se tornou uma realidade paralela (e há quem viva mais lá do que cá). Filmes de super-heróis atraem todo tipo de acusação — superficialidade, regressão, infantilização, escapismo. Ainda que o assunto mereça discussão, e merece, a esta altura é necessário encarar o fenômeno da mesma maneira que se consideram os edifícios que definem a silhueta de uma cidade, ou as pontes que inventam uma paisagem onde antes só havia um trecho de terreno: esta é a arquitetura da cultura pop, e o “Marvelverso” é hoje a sua estrutura mais proeminente.

Trata-se de uma façanha de cálculo executada por uma equipe altamente diversa de engenheiros e supervisionada por um projetista arrojado. Kevin Feige, o mandachuva dos Estúdios Marvel, desenhou plantas que abarcam desde o marco zero do Marvelverso (o lançamento do primeiro Homem de Ferro, em 2008) até a década vindoura, e se mostrou intransigente na defesa dos seus planos. Os quais, curiosamente, incluem espaços generosos para que o imponderável possa circular: Feige recrutou mais diretores novatos do que experientes, e foi buscá-los em locais pouco usuais — no terror, na comédia e no drama independente. Então, cuidou para que esses profissionais pudessem exercer suas aptidões com o máximo de latitude até (ou principalmente) quando a Marvel foi comprada pela Disney, em 2010. Graças ao trabalho de curadoria de Feige, a Marvel preservou algo essencial mesmo ao se incluir na maior engrenagem corporativa do entretenimento: a cultura agitada, irrequieta, irreverente e algo anárquica do meio dos quadrinhos. Em suma, cultivou a variedade ao mesmo tempo em que preservou a identidade.

IRA E TRISTEZA - Nebula (acima), a filha de Thanos, o Capitão América (à esq.) e Viúva Negra e Gavião (à dir.): a culpa dos sobreviventes

IRA E TRISTEZA - Nebula (acima), a filha de Thanos, o Capitão América (à esq.) e Viúva Negra e Gavião (à dir.): a culpa dos sobreviventes (/)

Se isso parece abstrato, pense-se que só agora a DC Comics começa a encontrar um equilíbrio semelhante, ou avalie-se quão despersonalizado ficou Han Solo — Uma História Star Wars, que a Lucasfilm produziu também dentro da Disney. Um dos personagens mais deliciosos do cinema rendeu um filme com cara de produto, e não de criação — ao passo que a Marvel conseguiu fazer não um, mas dois filmes irresistíveis com um personagem tão menosprezado como era o Homem-Formiga. A comunhão com o público (e a capacidade de ampliá-lo para muito além dos fãs de quadrinhos) é o que sustenta o cacife da Marvel; e homenagear tudo aquilo que esse público investiu nela, na forma de ingresso e de emoção, é o propósito maior de Vingadores: Ultimato, já que nele se encerra esse primeiro grande ciclo do estúdio.

Do ponto de vista estritamente cinematográfico, assim, seria possível apontar várias falhas em Ultimato. Por exemplo, a demora a engrenar, a dispersão entre tantos personagens, o sentimentalismo de tantas cenas, os recursos previsíveis para desfazer a catástrofe do desfecho de Vingadores: Guerra Infinita. Mas, do ponto de vista da plateia que acompanhou esses personagens até aqui, todos esses sinais ficam invertidos: o que se proporciona a ela é a oportunidade de se despedir dos heróis que não vão retornar e dos atores que vão entregar seus papéis a novos intérpretes — além de tempo para aclimatar-se a ideias como finitude e mudança. Cineastas habitualmente musculosos e de estilo enxuto, que concentraram a força de Capitão América: O Soldado Invernal e Capitão América: Guerra Civil no confronto físico e dramático direto, os irmãos Russo aqui continuam na veia mais grandiosa e grandiloquente de Guerra Infinita, porque Ultimato não faz sentido para nenhum outro tipo de espectador que não esse, o seguidor que tem algum grau de compromisso emocional com o Marvelverso. O que Feige e os Russo oferecem, então, é catarse e desfecho, conforme cada caso. E, mais do que tudo, renovam seu pacto com o público: ao demonstrarem que compreendem o que ele deseja de Ultimato, afirmam que a próxima estrutura a ser erguida vai ser tão intrincada, e tão aliciante, quanto esta. Para quem é estranho a esse mundo, isso nada significa. Mas, para a geração que vê nele uma extensão do seu próprio, nenhuma promessa poderia ser mais necessária.

Publicado em VEJA de 1º de maio de 2019, edição nº 2632

Envie sua mensagem para a seção de cartas de VEJA
Qual a sua opinião sobre o tema desta reportagem? Se deseja ter seu comentário publicado na edição semanal de VEJA, escreva para veja@abril.com.br

Member of The Internet Defense League

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s