Clique e assine com 88% de desconto

Os oito destinos mais baratos para aprender inglês

Países como Austrália, África do Sul e Malta são as melhores opções para quem busca se especializar na língua, fazer turismo e economizar

Por Marina Rappa - 11 dez 2015, 13h56

Em ano de dólar caro, países como Austrália, África do Sul e Malta têm se tornado bons destinos para aperfeiçoar o inglês sem gastar muito. Além de serem países de língua inglesa e oferecerem ótimas oportunidades de estudos e imersão no idioma, esses lugares também contam com ótima estrutura turística e apoio aos estudantes.

Leia também:

Brasileiros têm pouco conhecimento de inglês, revela ranking

Países se comprometem a aumentar investimento em educação até 2030

Continua após a publicidade

De acordo com Luiza Vianna, gerente de cursos no exterior da Central de Intercâmbio, os brasileiros têm procurado opções para escapar dos destinos tradicionais, como Londres e Nova York, que ficaram mais caros. “Devido à valorização das moedas locais e redução do poder de compra no Brasil, os estudantes estão olhando para outros destinos que também proporcionam ótima qualificação e oferecem maior imersão na cultura local, graças ao número reduzido de brasileiros”, explica.

Luciano Timm, porta-voz da Education First, escola especializada em cursos de idiomas e viagens educacionais, afirma que é importante priorizar a qualidade do curso na hora de fechar um pacote, mesmo nos destinos mais baratos. Como somente algumas escolas do exterior têm aval de universidades reconhecidas mundialmente, o fator que deve guiar a busca por boas instituições é uma certificação do ministério da educação local, que avalia material didático, estrutura e número de alunos em sala. “Outra dica é se informar sobre quantas nacionalidades a escola no exterior abriga. Quanto maior for este número, maior a exposição à língua inglesa e melhor o certificado recebido pelo intercambista. A mistura dos países traz um maior número de línguas, o que acaba ‘obrigando’ os estudantes a aplicarem o inglês como língua única para se comunicarem”, explica Timm.

Outros locais que estão sendo valorizados pelos estudantes do Brasil são países que permitem o trabalho em meio período, que ajuda a pagar parte do investimento realizado, segundo Bruno Contrera, gerente de produtos do Student Travel Bureau (STB). “Temos visto um aumento de 30% a 40% na procura por países que tenham a opção de trabalho e estudo”. Austrália e Irlanda são os países que mais recebem esse tipo de estudante, que costuma trabalhar durante o intercâmbio e financiar parte da viagem dessa maneira.

Confira os oito locais mais baratos e com cursos de inglês de alta qualidade, de acordo com os especialistas entrevistados pelo site de VEJA:

Publicidade