Clique e assine com 88% de desconto

Tesouro Direto cresce 52% em 2019 e tem maior número de investidores da História

Venda de títulos atinge R$ 30,9 bilhões, valor também recorde

Por Agência O Globo - 27 jan 2020, 17h01

BRASÍLIA — O total de investidores ativos no Tesouro Direto, ou seja, aqueles que atualmente estão com saldo em aplicações no programa, atingiu a marca de 1,2 milhão de pessoas ao fim de 2019, no maior número já registrado pelo governo. Foram 414 mil novos investidores ativos, o maior crescimento da série histórica. No ano, a alta foi de 52%. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira pelo Tesouro Nacional.

Em 2019:
Reservas internacionais do Brasil fecham no menor valor em quatro anos

O Tesouro destacou que a participação feminina cresceu de 29% em dezembro de 2018 para 31% em dezembro de 2019, um novo recorde. A fatia dos investidores na faixa etária de 16 a 25 anos também alcançou o maior valor da série: 18%.

A venda de títulos públicos por meio do Tesouro Direto registrou aumento de 72% no ano passado, para R$ 30,8 bilhões. Foi o maior valor já registrado pelo Tesouro Nacional.

Em 2019: Rombo das contas externas sobe para US$ 50 bilhões, pior resultado desde 2015

Em um ano marcado pela queda dos juros, os resgates de títulos em 2019 também atingiram valor recorde: R$ 30,9 bilhões. Desse total, R$ 21,324 bilhões correspondem a resgates antecipados e, outros R$ 9,5 bilhões, a resgates devido ao vencimento do papel.

Continua após a publicidade

No ano passado, o Banco Central promoveu uma série de cortes na Selic, a taxa básica de juros da economia, que em dezembro chegou à mínima histórica de 4,5% ao ano. Com isso, a remuneração de títulos públicos também ficou menor. O Tesouro Direto permite a pessoas físicas a compra de títulos públicos pela internet.

Mesmo com o resgate de recursos do Tesouro Direto em 2019, o saldo total de títulos em mercado alcançou o montante de R$ 59,6 bilhões no fim do ano passado, uma alta de 9,9% sobre dezembro de 2018 (R$ 54,2 bilhões).

Viu isso?
Bolsa Família volta a ter fila, com 500 mil inscritos em apenas um ano

“Os títulos remunerados por índices de preços (inflação) respondem pelo maior volume no estoque, alcançando 48,5%. Na sequência, aparecem os títulos indexados à taxa Selic, com participação de 33,3% e, por fim, os títulos prefixados, com 18,2%”, informou o Tesouro Nacional.

Publicidade