Clique e assine com 88% de desconto

TCU dá 20 dias para BNDES esclarecer contratação de auditoria de R$ 48 milhões

Investigação para abrir 'caixa preta' de contratos com JBS não encontrou irregularidades

Por Agência O Globo - 24 jan 2020, 17h01

BRASÍLIA – O Tribunal de Contas da União (TCU) pediu nesta sexta-feira explicações ao BNDES a respeito da contratação de uma auditoria para investigar contratos do banco público com a empresa J&F, controladora da JBS. Em despacho, o ministro Augusto Sherman deu à estatal 20 dias para enviar esclarecimentos. Também nesta sexta, o Ministério Público junto ao TCU (MP-TCU) entrou com uma representação solicitando que a corte investigue o contrato.

BNDES:
venda de ações da Petrobras pode levantar até R$ 23 bilhões

O serviço foi realizado pela consultoria Cleary Gottlieb Steen & Hamilton LLP, custou R$ 48 milhões, mas não encontrou qualquer irregularidade. A investigação foi iniciada em 2018, ainda no governo do ex-presidente Michel Temer. Desde que assumiu o cargo, o presidente Jair Bolsonaro vem cobrando da gestão do banco que abra o que chama de “caixa preta” do BNDES.

Desburocratização:  Licitação pública para empresas estrangeiras exige mudança na lei, alertam especialistas

Como o GLOBO revelou nesta sexta, o custo da auditoria foi reajustada duas vezes nestes dois anos. Inicialmente, a investigação custaria ao banco US$ 6 milhões (ou, na cotação atual, cerca de R$ 25 milhões),  praticamente metade do valor final.

No despacho, que não é público mas teve o seu teor confirmado pelo TCU, Sherman pede que o BNDES dê detalhes sobre a contratação do serviço, “em especial quanto à sua economicidade”, informou a corte em nota.

Continua após a publicidade

Compras governamentais: Governo excluirá as áreas de saúde e defesa da abertura

Após a emissão do despacho, o MP-TCU entrou com a representação para que a corte investigue a contratação do serviço.

Antes do TCU, outras instituições já haviam questionado a contratação da auditoria. Na quarta-feira, a Organização dos Advogados do Brasil (OAB) também pediu esclarecimentos ao banco de fomento sobre os custos da investigação.

Procurado, o BNDES ainda não retornou. 

Publicidade