Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Meirelles vincula recuperação econômica ao afastamento definitivo de Dilma

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, vinculou nesta terça-feira a retomada do crescimento por meio de investimentos privados na economia e da recuperação da confiança internacional ao afastamento definitivo da presidente Dilma Rousseff. A decisão do cenário político caberá ao Senado e pode demorar até 180 dias. O ideal para o presidente interino Michel Temer (PMDB), que depende de um bom desempenho econômico para se firmar no cargo, seria que o processo de desenrolasse de forma abreviada.

“A retomada da confiança é gradual. Ela se dá, em primeiro lugar, pela mudança de governo e pela resolução dessa incerteza política. Existe uma decisão do Senado Federal a ser tomada nos próximos meses que vai, de uma forma ou de outra, eliminar uma incerteza, independentemente de qual seja essa decisão. O Senado é soberano e vai tomar uma decisão de acordo com a Constituição. Isto vai, qualquer que seja a decisão, eliminar uma ou outra fonte de incerteza”, afirmou o ministro.

Na véspera, Meirelles e Temer escutaram reclamações de presidentes de quatro centrais sindicais (UGT, CSB, Força Sindical e Nova Central) contrários a mudanças na Previdência e a reformas trabalhistas. Eles deram prognósticos que preocuparam os sindicalistas com a escalada do desemprego a até 14% neste ano.

Apesar da avaliação de Temer de que a mudança de governo traria confiança internacional para uma injeção de capital que poderia gerar empregos, os representantes das centrais sindicais reclamaram que os investimentos não vieram tão rapidamente. E na visão do novo titular da Fazenda, ex-presidente do Banco Central no governo Lula, ainda devem demorar.

Meirelles disse ainda que as medidas imediatas tomadas pelo governo interino também contribuem para a recuperação da confiança internacional. Ele listou, por exemplo, a fixação de prazo de 30 dias para uma proposta de reforma da Previdência, estudos técnicos da equipe econômica, ajuste fiscal (corte de 4.000 cargos comissionados), revisões nas políticas de isenção, subvenções e subsídios, além de corte de despesas diretas e renegociação da dívida dos Estados – uma prioridade, segundo ele.

“As nomeações que estamos fazendo, seja aqui na Fazenda ou em outras áreas do governo, também eliminam fontes atuais de incerteza e isso vai fazendo com que haja uma evolução nesse período”, afirmou. “Tudo isso vai fazendo com que a retomada da confiança se dê de forma gradual. Eu espero que seja acelerada. Mas esse é um processo que todos nós brasileiros já vivemos várias vezes, eu próprio já vivi no governo uma vez. A retomada do crescimento é algo geométrico. Começa devagar e depois se acelera.”

Leia mais:

Meirelles anuncia novo presidente do Banco Central: Ilan Goldfajn

Meirelles: propor volta da CPMF ‘é prematuro’

Mansueto: carga tributária ‘é menor do que se pensava’, mas pior do que deveria

Member of The Internet Defense League