Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dólar volta a fechar acima de R$ 4

Nesta sexta, sob influência externa, moeda americana subiu 0,93%; na semana, em contrapartida, houve desvalorização de 0,48%

O dólar somou nesta sexta-feira a segunda sessão consecutiva de alta, encerrando a semana acima de 4 reais. A moeda americana chegou a cair durante a manhã, com alguma pressão de investidores sobre as cotações, mas os dados positivos divulgados nos Estados Unidos acabaram conduzindo os ganhos do dólar no exterior e também no Brasil. No cenário doméstico, o mal-estar com a política e fatores técnicos contribuíram para o avanço. O dólar terminou o dia em alta de 0,93%, a 4 reais. Na semana, em contrapartida, houve desvalorização de 0,48%.

As primeiras cotações do dia indicavam um dólar no negativo. Isso era resultado de ajustes de posições após a alta desta quinta, quando a percepção de que poderia estar ocorrendo uma grande saída de recursos do país alimentou forte compra de moeda no fim da sessão.

A baixa do início da manhã começou a mudar à medida que saíam os dados da economia americana. O Produto Interno Bruto (PIB) subiu, na segunda leitura do indicador, 1% na taxa anualizada do quarto trimestre de 2015. Como a previsão do mercado era menor, de 0,4%, o resultado fez crescerem as avaliações de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) pode ter espaço para continuar seu processo de alta de juros. A reação imediata foi de alta em comparação com várias outras moedas.

No Brasil, o dólar ainda se segurou um pouco em baixa e chegou a marcar 3,93 às 10h35, quando os números do PIB já estavam nas mesas. Aos poucos, porém, a moeda foi se alinhando ao exterior, até que, à tarde, virou para o positivo e passou a renovar máximas. Alguns profissionais também citaram possível fluxo de saída de moeda para justificar o movimento. Além disso, seguia a percepção ruim sobre a política brasileira. O dólar à vista marcou a máxima de 4,01 (+1,36%) às 13h35.

Leia mais:

PIB dos EUA no quarto trimestre é revisado para cima, a 1%

(Com Estadão Conteúdo)

Member of The Internet Defense League