Clique e assine com 88% de desconto

Dólar cai a R$ 3,95 por bom humor com China e petróleo

Novas medidas do governo chinês para enfrentar a turbulência nos mercados e alta dos preços do petróleo motivam queda da moeda americana

Por Da Redação - 22 fev 2016, 12h47

O dólar recuava à casa dos 3,95 reais nesta segunda-feira, após a China adotar novas medidas para enfrentar a turbulência nos mercados financeiros e em meio a nova alta dos preços do petróleo, que alimentavam a procura por ativos de maior risco. Às 12h25, o dólar recuava 1,79%, a 3,9507 reais na venda, após avançar 0,83% na semana passada. Na mínima desta sessão, a moeda chegou a 3,9473 reais.

“A semana começa com um tom favorável nos mercados internacionais. Resta saber se vai durar, porque o mercado tem estado muito volátil nas últimas semanas”, disse o superintendente regional de câmbio da corretora SLW, João Paulo de Gracia Correa.

No fim de semana, a China removeu o chefe da agência reguladora de mercados de capitais e indicou em seu lugar um alto executivo do setor bancário. Sinais de que o governo chinês está intensificando seus estímulos também contribuíam para o bom humor.

Outro fator positivo era a alta dos preços do petróleo, após a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) informar que espera que a produção de xisto nos Estados Unidos recue neste ano e no próximo, possivelmente aliviando a sobreoferta global.

Continua após a publicidade

No cenário local, investidores continuavam apreensivos com as perspectivas fiscais para o Brasil, após o governo anunciar propostas que abrem espaço para novo déficit primário em 2016.

“Não tem como fugir, o câmbio vai continuar volátil por bastante tempo. O governo ainda não tem credibilidade com o mercado e isso faz o investidor trabalhar no curtíssimo prazo”, disse o operador de uma corretora internacional.

Na sexta-feira, o dólar caiu 0,65%, a 4,0227 reais. No mês, há leve queda acumulada, de 0,04%, e no ano, a moeda tem alta de 1,89%.

Leia também:

Continua após a publicidade

Renegociação de dívidas de Estados deve aumentar déficit primário, diz Barbosa

Recessão afeta produção de dinheiro e faz faltar troco

(Com agência Reuters)

Publicidade