Clique e assine com 88% de desconto

‘CVM’ chinesa muda comando e anima mercados

Órgão que regula o mercado de capitais do país terá novo presidente após semanas de fortes turbulências nas bolsas locais

Por Da Redação - 22 fev 2016, 16h34

Após meses de turbulência no mercado acionário chinês, o presidente da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China (CRSC, na sigla em inglês), Xiao Gang, vai abandonar o seu cargo, informou neste sábado a agência estatal de notícias Xinhua. Xiao, um jurista com décadas de experiência no mercado financeiro, deverá ser substituído por Liu Shiyu, presidente do Banco Agrícola da China, disse a agência.

A substituição de Xiao no órgão que equivale à brasileira Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ocorre depois de meses de críticas à sua gestão. Xiao, que se tornou presidente da comissão há quase três anos, era criticado por operadores do mercado financeiro por adotar medidas que contribuíram para aumentar a volatilidade das bolsas chinesas.

Mais recentemente, Xiao vinha defendendo o uso do circuit breaker, um mecanismo que interrompe as negociações quando os índices de referência caem bruscamente, com o objetivo de dar aos mercados um período de acomodação. Adotado no início do ano, o instrumento, em vez de controlar os mercados, contribuiu para conduzir as bolsas de Xangai e Shenzhen à melancolia das bolsas globais.

Depois de ser nomeado como presidente, em março de 2013, Xiao procurou melhorar a transparência tanto nos mercados quanto na comissão de valores mobiliários. A agência começou a realizar conferências de imprensa semanais. Ele também buscar reformar o complicado sistema para as empresas serem listadas em bolsas, tentando dar à comissão uma roupagem mais ocidental.

Continua após a publicidade

Sob sua supervisão, os mercados de Xangai e Shenzhen, que tinham sido em grande parte apáticos durante a última década, começaram a subir em meados de 2014 e, em seguida, dispararam, alimentadas em parte por investidores que negociavam sobre fundos de empréstimos.

A notícia da mudança ajudou a puxar altas das bolsas em todo o mundo. A Bolsa de Xangai subiu 2,35%. Até a Bovespa sobe nesta segunda animada, em parte, pela notícia chinesa. Por volta de 16h30, o índice Ibovespa subia 3,99%.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade