Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil fecha 99,7 mil vagas com carteira assinada e tem pior janeiro desde 2009

Comércio foi o setor que mais fechou vagas no mês, segundo os dados do Caged, divulgados nesta sexta-feira

Depois de registrar o fechamento de 1,5 milhão de vagas formais de emprego em 2015, o país iniciou o ano com mais um dado negativo do mercado de trabalho. O saldo de empregos em janeiro foi negativo em 99.694 postos, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta sexta pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social.

O resultado foi pior que o apresentado em janeiro do ano passado, quando ficou negativo em 81.774 vagas pela série sem ajuste. Analistas consultados pela agência Reuters estimavam saldo negativo de 150.000 empregos no mês.

No mês, foram 1.205.040 admissões e de 1.304.734 desligamentos, o que fez desse o pior janeiro para o mercado de trabalho formal desde 2009 – naquele ano, o saldo de empregos em janeiro foi negativo em 101.748 postos.

A série sem ajuste considera apenas o envio de dados pelas empresas dentro do prazo determinado pelo Ministério. Após esse período, há um ajuste da série histórica, quando os empregadores enviam as informações atualizadas para o governo.

Leia mais:

OCDE diz que Brasil não segue suas sugestões

PIB dos EUA no 4º trimestre é revisado para cima a 1%

Setores – Dados do Caged mostram ainda que o comércio foi o setor que mais fechou vagas de trabalho com carteira assinada em janeiro. No total, foram encerrados 69.750 postos no mês passado, fruto de 286.509 admissões e 356.259 desligamentos.

O segundo pior desempenho ficou com o setor de serviços, que teve retração de 17.159 vagas no mês. O dado foi acompanhado pela indústria de transformação, com menos 16.553 postos, seguido da construção civil, que fechou 2.588 vagas, e da indústria extrativa mineral, que teve menos 1.220 empregos.

O único setor com desempenho positivo em janeiro foi a agricultura, que abriu 8.729 vagas formais de emprego.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Member of The Internet Defense League