Clique e assine com 88% de desconto

Bovespa sobe mais de 4%; dólar termina em queda

Mercados ganharam fôlego com a expectativa de afastamento da presidente Dilma Rousseff na votação do impeachment no Senado, nesta quarta-feira

Por Da Redação - 10 maio 2016, 18h04

O principal índice da Bovespa fechou em alta de mais de 4% nesta terça-feira, maior avanço desde março, favorecido pela expectativa de afastamento iminente da presidente Dilma Rousseff. O giro financeiro do pregão somava 6,6 bilhões de reais.

No fim da sessão, o Ibovespa subiu 4,08%, a 53.070 pontos. Apenas uma das 59 ações que compõem o índice fechou em queda. O avanço nos preços de commodities no mercado internacional impulsionou ações de empresas como Petrobras e Vale. As ações preferenciais da petroleira fecharam em alta de mais de 7%. As da mineradora, por sua vez, avançaram mais de 6%.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), já confirmou que colocará em votação nesta quarta-feira o pedido de abertura do processo de impeachment que, se aceito, levará o vice Michel Temer a assumir o posto. Henrique Meirelles, ex-presidente do BC, será seu ministro da Fazenda, o que tem agradado aos mercados financeiros.

Leia mais:

Ações trabalhistas crescem, e TST prevê 3 milhões de processos em 2016

Petrobras deixa ranking de empresas mais valiosas da indústria química

Câmbio – O dólar recuou 1,65%, a 3,46 reais, e encerrou a sessão perto da mínima do dia. Os operadores também ficaram de olho na votação do impeachment de Dilma no Senado.

Apesar do bom humor, os investidores vão continuar atentos ao Banco Central, que ficou de fora do mercado de câmbio nesta sessão, mas pode voltar a qualquer momento. Para muitos, o BC não gosta do dólar abaixo de 3,50 reais porque atrapalha as exportações e, assim, as contas externas do país.

“Nesses níveis (do dólar), o BC já chama para os leilões de swap (reverso, que equivalem à negociação de dólares no mercado futuro). Então existe essa possibilidade (de acontecer nos próximos dias)”, disse o economista da corretora BGC Liquidez, Alfredo Barbutti.

(Com Reuters)

Publicidade