Clique e assine com 88% de desconto

Bovespa sobe 3,6% com maior aposta em impeachment de Dilma

Quadro externo favorável aos mercados emergentes e às commodities também impulsionou o avanço do Ibovespa nesta sexta

Por Da Redação - 8 abr 2016, 17h34

O principal índice da Bovespa fechou com alta de mais de 3% nesta sexta-feira, diante da avaliação de investidores de que os últimos desdobramentos no campo político favorecem o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O quadro externo favorável aos mercados emergentes e às commodities impulsionou o avanço doméstico, mesmo com o enfraquecimento dos pregões em Wall Street.

O Ibovespa subiu 3,67%, a 50.292 pontos. Na máxima, o índice de referência do mercado acionário brasileiro saltou 4%. O volume financeiro somou 8 bilhões de reais, acima da média diária de abril, que está abaixo de 6 bilhões de reais.

De acordo com agentes do mercado financeiro, o parecer do procurador-geral da República contrário à nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro-chefe da Casa Civil foi um dos principais fatores por trás do sentimento positivo na bolsa paulista nesta sessão.

O entendimento entre esses profissionais é de que a presença formal de Lula no governo facilitaria a articulação política para barrar o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, enquanto sua ausência formal na equipe do governo atenua tal vantagem.

Continua após a publicidade

Nesse contexto, além da decisão de Janot, reforçaram o viéspositivo no pregão levantamentos da mídia brasileira mostrando aumento da parcela de deputados a favor do impeachment.

O economista da gestora de recursos Rio Bravo Investimentos Evandro Buccini disse que as últimas notícias deram suporte a percepções mais favoráveis ao impeachment após uma semana em que vinha prevalecendo o oposto.

O desempenho da bolsa na semana refletiu tal visão, com o Ibovespa acumulando perda de 0,53% na semana.

Leia mais:

Continua após a publicidade

Governo tenta reverter decisão sobre juros da dívida dos Estados

Brasil cai quatro posições no ranking global de importadores

(Com Reuters)

Publicidade